Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Será?

Por que lançar mais um blog na rede virtual já saturada de informação? O que acrescentar a este alucinado bombardeio de dados, notícias e informações que circulam e inundam o planeta? Duas motivações podem justificar este empreendimento do blog “Será?”. A primeira decorre de uma sensação de incômodo com a enorme poluição de informação e de mensagens, na sua maioria de limitado conteúdo, combinando concisão e velocidade com simplicidade e superficialidade. O excesso de notícias e informações tende a confundir e mesmo atrapalhar a reflexão, a análise e a organização do pensamento, a troca de ideias e conhecimentos e o debate aprofundado. “Será?” se propõe a ser uma revista de opinião e de debate de ideias, um espaço para a reflexão crítica e a troca de visões e interpretação do mundo contemporâneo.

A segunda motivação dos editores da “Será?” parece implícita na denominação da revista: a utilização da dúvida como método de observação e análise da realidade, questionando as verdades cristalizadas e estabelecidas – verdades e pré-conceitos carregados de emoção que inibem o pensamento crítico e paralisam a criação – duvidando do senso comum e das unanimidades, frequentemente carregados de enganos e simplificações. A revista, num formato de blog, não tem verdades nem convicções definitivas. Prefere a dúvida e a abertura intelectual que, estas sim, avançam no conhecimento e consequentemente na busca de soluções. “As convicções”, dizia Nietzsche, “são inimigas da verdade mais perigosos que as mentiras”. O mais grave das certezas absolutas e definitivas é a paixão e a carga emocional que costumam carregar, impedindo um debate sério e equilibrado. Neste aspecto, vale a referência a outro filósofo, David Hume, para quem “todas as doutrinas que sejam favorecidas por nossas paixões devem ser objeto de suspeita”.

Conselho Editorial

Cláudio Marinho
João Rego
Luciano Oliveira
Sérgio C. Buarque
Teresa Sales

 

5 Comentários

  1. Caros editores de Será?
    Enfim vocês se decidiram a justificar publicamente os muitos almoços mensais que sempre me deixaram com inveja, além da barriga roncando de desejo. Acompanhei um pouco a longa gestação da revista eletrônica através do nosso amigo comum, e coeditor da revista, Luciano Oliveira.
    É com prazer que acolho a revista, embora ciente de que ela se apropriará de alguns dos poucos leitores do meu blog. Como já conheço parte do que vocês postaram no ponto de partida, talvez deva corrigir o título da mensagem: segunda leitura. Bem vindos à blogesfera. Será um prazer continuar lendo vocês. Um abraço,
    Fernando.

    • Oi Fernando,
      Legal e animador teu comentário. Acompanho teu blog com interesse (foi de onde saiu o primeiro texto sobre Denis depois de 1 de setembro) e posso assegurar que o nosso será complementar e não concorrente. Grande abraço,
      teresa

  2. Ah: afinal, a revista tem agora, literalmente, a cara de vocês. Convenhamos: vocês não são Darwin, mas são vocês que fazem a revista, a não ser que veredas insondáveis da evolução tenham traçado uma linha direta entre ele e esses invejados almoços de vocês. Agora pendurem a foto no umbral da revista e trabalhem. No mais, gênio por gênio, o outro, Descartes, justificaria melhor o mote da revista, que subscrevo. Sejamos fieis a ele.

  3. Caros Editores,muito Bem-Vinda essa proposta.
    Ma Helena

    • Obrigado Maria Helena. Você pode se cadastrar em nosso site indo no rodapé da página e inserir seus dados em REGISTRE-SE.

Deixe Um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *