Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Exposição midiática do STF

Sérgio C. Buarque O julgamento do processo do chamado mensalão constitui o maior evento midiático do sistema judiciário brasileiro, sendo acompanhado em tempo real por milhões de brasileiros através dos diferentes meios de comunicação. A natureza e escala do escândalo, envolvendo influentes políticos do PT-Partido dos Trabalhadores, já são suficientes para despertar uma enorme atenção da sociedade; mas é amplificado pela proliferação exponencial dos múltiplos e ágeis instrumentos de informação, tanto das empresas formais de jornalismo quanto, principalmente, da rede social formada pela internet com seus sites, blogs, facebooks, e twitters. Ninguém escapa deste olhar penetrante do big brother no qual todos observam e são, ao mesmo tempo, observados. Diante de um microfone e de uma câmera de vídeo com imagens capturadas pelo youtube e propagadas pelas redes sociais, torna-se difícil a qualquer pessoa conservar a naturalidade e a...

Leia Mais

O Sujeito, o Desejo e a Política. – João Rego

João Rego O conceito de sujeito, para a psicanálise, é o do sujeito constituído por uma falta que o funda como ser desejante. Essa é uma operação que ocorre em nossa alma e que tem sua origem no momento em que, como criança, viemos ao mundo. A princípio temos uma relação fusional com a mãe, ou seja, não somos constituídos ainda como sujeito. Nos confundimos e nos nutrimos desta fonte de vida original, que é o corpo da mãe. Com a interferência da figura paterna dá-se a interdição, que nos castra da mãe. A partir daí, seguimos a vida condenados a buscar, de forma incessante e sem êxito, o preenchimento desta falta. É movido por esta falta que nos constituímos como sujeito, sentimos os limites do nosso corpo, criamos, amamos, e sofremos. Sem ela cessaria o desejo, o que...

Leia Mais

O Recife pelo olhar e pela câmera de Cláudio Assis

Teresa Sales   Cláudio Assis nasceu em Caruaru, PE, em 1955. Nessa cidade iniciou sua carreira como ator e cineclubista. Seu primeiro curta metragem (16 mm), a indicar de que lado ele estava na história, foi Padre Henrique – Um crime político (1987). Outros curtas de 16 mm foram: Soneto do Desmantelado Blue (1993), sobre o poeta pernambucano de curta passagem pela vida e que deixou um legado de belos poemas sobre o Recife, Carlos Pena Filho; Viva o Cinema (1996); e Texas Hotel (1999), mais tarde um dos espaços privilegiados em seu primeiro longa metragem, Amarelo Manga. Com Amarelo Manga (2002) Cláudio Assis despontou na cena cinematográfica brasileira já com grande brilho. No festival de cinema de Brasília, um dos mais prestigiados do país, recebeu 7 prêmios, inclusive de melhor filme. Com esse filme foi premiado também no...

Leia Mais

Jango: O Reformista que não quis quebrar ovos.

Luciano Oliveira RESENHA: Jorge Ferreira, João Goulart: Uma Biografia Rio de janeiro, Civilização Brasileira, 2011, 713 p. “O homem fugiu!” Eu era um menino; e a frase, dita em tom jubiloso, é uma das poucas lembranças vivas que guardo dos idos de março de 1964. Mas já era abril! Só não lembro se era o dia 2, quando Goulart deixou Brasília em direção a Porto Alegre, ou se já era o dia 4, quando partiu de sua fazenda em São Borja para “internar-se” (não sei por que ainda hoje se usa essa expressão) no Uruguai, onde se exilou e de onde só voltou doze anos depois, morto, para ser enterrado na mesma São Borja.   A notícia de sua partida foi dada pelo dono da padaria vizinha à farmácia do meu pai, que a recebeu com igual júbilo. Ambos...

Leia Mais

A Comissão da Verdade e o Capítulo Final (oxalá!) da Ditadura Militar

Luciano Oliveira  RESUMO A recente decisão tomada pela Comissão da Verdade de não investigar os crimes praticados pela esquerda armada durante a ditadura militar reacende velhos debates que há mais de trinta anos pairam como uma alma penada sobre a vida política do país. Trata-se de uma história que nunca acaba porque os militares recusam-se até hoje a encarar a dura responsabilidade que carregam no seu capítulo mais sombrio: os crimes cometidos pelos torturadores e o destino dos desaparecidos. O ensaio discute essa questão. Mas, pondo-se na contramão de certo senso comum crítico em relação ao regime, rejeita a versão de uma história inteiramente maniqueísta opondo bandidos fascistas de um lado e mocinhos democratas do outro, lembrando algo que a nossa boa consciência solidária com os perdedores da “guerra suja” prefere esquecer: a responsabilidade, no desencadeamento dessa “guerra”, dos...

Leia Mais

O grito de Coyoacán

Sérgio C. Buarque   Ninguém mais se espanta com as descrições dos crimes do regime stalinista nas três décadas de terror na antiga União Soviética. Mas até hoje é surpreendente e mesmo incompreensível que milhões de pessoas no mundo inteiro aceitassem, justificassem e até apoiassem os julgamentos, as torturas, a humilhação e o fuzilamento de todos os líderes da revolução russa, exceção de Lenin, morto prematuramente (ou envenenado?) e de Leon Trotsky, assassinado no exílio por um stalinista catalão infiltrado. Por que voltar agora ao assunto, tanto tempo depois da queda do muro de Berlim e mais ainda das denúncias dos crimes do stalinismo por Nikita Kruchov? São reflexões da leitura do excepcional romance histórico “El hombre que amaba a los perros” do escritor cubano Eduardo Padura, que narra as vidas paralelas de Leon Trotsky e do seu assassino,...

Leia Mais

Cultura, Pulsão e psicanálise. – João Rego

João Rego Creio que o retorno aos textos freudianos, que foram objeto de meus ensinamentos nos últimos dois anos, deu-me a certeza cada vez maior de que não há apreensão mais ampla da realidade humana do que aquela que é feita pela experiência freudiana.(LACAN, Jacques in Le symbolique, l’imaginaire et le réel – Bulletin de l’Association freudienne, No. 1, nov, 1982) Esta ‘experiência freudiana ’a qual o texto de Lacan se refere, define a dimensão da psicanálise em um contexto que situa o homem e seus desejos de forma antagônica a civilização. Esta última tem a função de interditar, através da lei, grande parte da realização destes desejos. Em Totem e Tabu e no Mal Estar da Civilização, que definimos como as principais obras do pensamento social de Freud, este situa o homem fundado em um impasse insolúvel: o...

Leia Mais