Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Avaliação dos governos – Sérgio C. Buarque

Sérgio C. Buarque Aos poucos, os governos vão introduzindo na gestão pública mecanismos de avaliação por resultados, substituindo a velha métrica que julgava apenas a eficácia, ou seja, a capacidade de executar as ações. Embora correta, a análise dos resultados não é suficiente para avaliar a qualidade de um governo na medida em que os impactos das ações e projetos implementados tem, normalmente, um prazo lento de maturação no tempo. Em outras palavras, o desempenho da realidade atual decorre muito mais do que foi feito no passado, mesmo em governos anteriores, que propriamente na atualidade. Da mesma forma, o que estiver sendo implantado agora, pelo governo atual, pode ter seus resultados computados apenas alguns anos depois de uma eventual mudança de governo. Por conta dessa defasagem temporal entre a ação e seus resultados, a avaliação do governo atual deve...

Leia Mais

Os Números Não Falam

É costume se dizer que “os números não mentem”. Claro, os números não mentem porque não falam! As interpretações falam por eles. Cada conjunto de informações numéricas sobre uma realidade precisa ser interpretado e a interpretação é que permite compreender (ou confundir e esconder) o que os números querem dizer. O que dizem os últimos dados do PNUD sobre o IDH-Índice de Desenvolvimento Humano dos países? O Brasil registrou leve aumento do índice – de 0,728, em 2011, para 0,730, em 2012 – mas a sua posição no ranking mundial dos países não se alterou: de 187 países analisados, o Brasil continua sendo o 85º, bem abaixo do Chile (40º com IDH de 0,819), da Argentina (45º), do Uruguai (51º), do Peru (77º), e da Venezuela (71 º). O governo brasileiro contestou. Segundo o ministro Aloisio Mercadante, os números...

Leia Mais

1º De Abril de 1964: A Mentira de 21 Anos – Chico de Assis

Chico de Assis > A imagem que mais me ocorre ao lembrar esse dia é a minha saída do prédio da Agência Nacional (o mesmo dos Correios, na Av. Guararapes), onde trabalhava como repórter-auxiliar. Saía com meu irmão mais velho, Antonio Avertano, diretor da Agência e também metido em subversão à época, além de mais alguns velhos comunistas que lá trabalhavam. As ruas já respiravam o clima de golpe. O Palácio das Princesas, cercado por tropas do Exército, contrariava a previsão do dia  anterior, feita pelo próprio governador Miguel Arraes, em rápida entrevista que com ele tivemos (eu e meu irmão), no fim da noite de 31 de março. Ele acreditava (ou, para nos tranquilizar, nos deu a entender que acreditava) que o golpe seria debelado. O general Amauri Kruel, comandante do II Exército, aderiria ao Presidente João Goulart,...

Leia Mais

Herdeiras da Escravidão

A cultura açucareira deixou marcas da escravidão na nossa sociedade, arraigadas até hoje. Naquele tempo, em que o rio Capibaribe era o lugar nobre de passeio das sinhazinhas, lugar de banho, temos a triste memória, retratada na história e nas pinturas da época, dos tigres. Negros escravos carregando dejetos das casas senhoriais para jogar no mar, num tempo em que o banho de mar não era valorizado. A herança maior da escravidão perdurou no trabalho doméstico. As empregadas domésticas foram estigmatizadas de piniqueiras, função em tudo semelhante a dos tigres. Estupradas pelos descendentes dos senhores de engenho mal saídos da adolescência no recinto dos lares cristãos ainda um século depois da abolição. Heranças da escravidão são as tristes marcas que nos deixam à margem dos índices de civilização do mundo. Por isso, salve a PEC das domésticas! Os Editores...

Leia Mais

Em Busca de Graciliano Ramos: uma viagem a Palmeira dos Índios

Luciano Oliveira Em 20 de março passado completaram-se 60 anos redondos da morte de Graciliano Ramos. Junto com Machado de Assis, o “velho Graça” costuma figurar no panteão da santíssima trindade (o outro sendo Guimarães Rosa) da literatura brasileira. Há alguns anos, no curso da composição de um livro sobre ele e Machado a que dei o nome de O Bruxo e o Rabugento (publicado – perdoem o descarado merchandising – pela Vieira & Lent, Rio de Janeiro), inventei de fazer uma viagem a Palmeira dos Índios, no agreste alagoano, cidade de onde ele foi prefeito entre 1927 e 1929 e, durante o ano de 1932, escreveu boa parte de São Bernardo – a meu ver sua obra-prima – na sacristia da igreja local. “O Espírito sopra onde quer” – diz João, capítulo 3, versículo 8. Esse toque eclesiástico...

Leia Mais

As Noivas da Revolução

Teresa Sales Recife, cruel cidade, águia sangrenta, leão. Ingrata para os da terra, boa para os que não são. Amiga dos que a maltratam, Inimiga dos que não, este é o teu retrato feito com tintas do teu verão e desmaiadas lembranças do tempo em que também eras noiva da revolução. Carlos Pena Filho Dois livros foram publicados com o mesmo título e no mesmo ano: Paulo Santos, A noiva da revolução(Comunigraf, 2008); e Francisco de Oliveira, Noiva da revolução (Boitempo, 2008). A noiva da revolução de Paulo Santos é um romance histórico cujo tema principal é um amor proibido que aconteceu durante a “única revolução brasileira digna desse nome”, como bem disse Oliveira Lima, que foi a Revolução de 1817. A história desse grande amor entre o principal líder da Revolução, o brasileiro Domingos Martins, e a filha de rico s comerciantes portugueses, Maria Teodora...

Leia Mais

Adolescência Interrompida – Aécio Gomes de Matos

Aécio Gomes de Matos Para mim, desde criança, o 1º de abril sempre foi o dia da mentira. Mas naquele 1º de abril de 1964, ninguém duvidou das notícias aterrorizantes sobre o golpe militar que já vinha sendo urdido pelas forças de direita há muito tempo com o apoio dos militares e da CIA, que via na política nacionalista brasileira um risco de repetição da experiência revolucionária de Cuba. Nós, da política estudantil, estávamos entusiasmados com as reformas de base do Governo João Goulart, reestabelecendo o presidencialismo, limitando os subsídios das multinacionais, nacionalizando o petróleo, iniciando uma reforma agrária, estendendo aos trabalhadores rurais os mesmos direitos dos trabalhadores urbanos. O comício da Central do Brasil, realizado em 13 de março de 1964, reunindo mais de 150 mil pessoas, foi o marco do apoio popular às reformas e, ao mesmo...

Leia Mais

Spok e as raízes pernambucanas da música instrumental. – João Rego

João Rego > Na Casa de Seu Jorge assisti, no ano passado (maio de 2012), um show de raríssima qualidade. Spok com seu grupo de artistas, Renato Bandeira na guitarra e viola de 12 cordas, entre outros. Durante três horas, no espaço intimista da Casa, nos deslumbraram com o virtuosismo do grupo. Spok é tão bom com as palavras e sua paixão pelo frevo quanto é com seu sax. Ao longo do show foi cativando a todos, dando uma aula sobre o frevo, seus principais compositores, suas raízes e seu papel fundante na alma pernambucana. Com suas palavras e sua música, aos poucos foi transformando a Casa de Seu Jorge na Bluenote do Frevo. Não estávamos em Nova Iorque, nem ouvindo Jazz no BlueNote. Estávamos no Recife ouvindo o frevo de Spok, mas a atmosfera e o prazer eram absolutamente...

Leia Mais

O pastor racista e o Congresso Brasileiro

O Congresso Brasileiro anda tripudiando sobre a nossa sociedade civil. De longa data. Não faz nem um mês, a eleição vergonhosa dos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados. Agora a escolha do deputado Marcos Feliciano para presidir a Comissão de Direitos Humanos e de Minorias. Tudo o que tinha de ser dito do absurdo dessa escolha já está estampado na imprensa e nas redes sociais. Preocupante não é somente ter esse indivíduo racista e preconceituoso presidindo essa comissão, e esperamos que a pressão da opinião pública contra o pastor force a sua demissão, remediando o estrago. Mas fica outra preocupação de ordem mais geral: O Sr. Marcos Feliciano foi eleito pelos deputados. Não foi um acidente (ou um milagre) a eleição de um fundamentalista quase medieval para a presidência da Comissão de Direitos Humanos. Por oportunismo ou...

Leia Mais

A civilização na encruzilhada – Sérgio C. Buarque

Sérgio C. Buarque “A civilização na encruzilhada” é o título de um livro publicado na década de 60 do século passado escrito e coordenado pelo filósofo tcheco Radovan Richta, que explorava os dilemas que a humanidade iria enfrentar diante da acelerada revolução tecnológica com suas implicações sociais e humanas. Quase na mesma época, o Clube de Roma publicou o famoso relatório intitulado “Os limites do crescimento”, com outra dramática advertência para o futuro: para continuar o ciclo de crescimento da economia o planeta sofreria uma dramática pressão antrópica decorrente da industrialização e da exploração maciça de recursos naturais. O futuro chegou e quase 50 anos depois da publicação destes dois documentos, a civilização continua diante de um dilema grave nesta corrida desenfreada de consumo e de crescimento produtivo que não leva a lugar nenhum, exceto ao abismo. A não...

Leia Mais

Dia da Verdade

Cristovam Buarque > Como toda quarta feira, naquele primeiro de abril de 1964 cheguei cedo à casa dos alunos para dar minha aula como professor particular de física e matemática. Meus alunos eram adolescentes de tradicionais e interligadas famílias pernambucanas: Brennand, Pontes, Monteiro. Naquela manhã, a mãe dos alunos me esperava na calçada, um tanto assustada, e foi logo me dizendo que estava acontecendo uma revolução. Foi à primeira notícia que tive daquele fato histórico que mudaria radical e inesperadamente a vida de todos os brasileiros, sobretudo de um grupo de militantes por um País mais democrático, soberano, justo, socialista: muitos mortos, torturados, exilados, com suas carreiras e projetos pessoais interrompidos de maneira muitas vezes definitiva. Foi pela fala de uma pessoa das altas classes pernambucanas, industriais e usineiros, que fui informado do golpe de 1964. Ela me disse que...

Leia Mais

Incertezas na Venezuela – Editorial

Conselho Editorial A morte de um Presidente da República em exercício desperta um forte sentimento de perda, tanto por parte dos aliados, como até mesmo dos adversários. Numa democracia com instituições sólidas e estáveis, a transição é tranquila e segura. Quando se trata, porém, de um presidente de perfil populista e personalista, como Hugo Chavez, sua morte pode desencadear instabilidade e grave crise política, pelo vazio que provoca na estrutura do poder. Ao longo da sua vida política e de quase 14 anos como presidente da república, com seu estilo agressivo de caudilho, Chavez dividiu a Venezuela entre fanáticos seguidores e exaltados inimigos, deixando agora uma orfandade política. Orfandade que se estende à velha esquerda latino-americana, desorientada e carente de bandeiras e líderes, depois do desmonte do bloco soviético, do desencanto com Cuba e da expansão do capitalismo selvagem...

Leia Mais

O Papa FiIósofo

Sérgio C. Buarque O ex-Papa Bento XVI e agora peregrino Joseph Ratzinger é um filósofo, um pensador culto e brilhante como demonstram os discursos, os pronunciamentos e as encíclicas publicadas, mesmo quando despertaram protestos e controvérsias. Este perfil intelectual não deve ter ajudado o Papa na sua tarefa de administração do Vaticano, de gestão das disputas políticas e dos desvios éticos no meio da Igreja Católica, e do posicionamento da Igreja no mundo em intensas mudanças culturais e com a multiplicidade de tendências religiosas. No final da vida e no seu curto papado, Ratzinger pode entrar na história não apenas pela inusitada renúncia, mas, principalmente, pelas suas opiniões, como cardeal e como Papa, que expressam uma intensa inquietação intelectual e dúvidas existenciais que pareciam leva-lo ao agnosticismo. “Onde está Deus?” Em vários momentos, o ex-Papa formulou esta pergunta desesperada....

Leia Mais

Teoria da Nova Elite

Fernando da Mota Lima Minha identidade? Sou pós-moderno, narcisista, consumista e high-tech. Ah, também sou rico, ideólogo intelectual da nova elite. Religião? Tenho a minha, que misturo sem preconceito com tudo que me torne mais livre, resolvido e saudável. Acho que a religião se tornou um investimento e é bom que assim seja. Quem hoje pensaria em guerra religiosa no Ocidente? Só se fosse por acidente. Por que eu teria pudor de traduzir Deus nos termos de minha ética utilitária? As novas religiões, os pastores, hábeis investidores no mercado da fé, também as religiões tradicionais, todos estão adotando esse novo perfil religioso. Estou apenas remando com a corrente. Os novos líderes religiosos são treinados como empresários de Deus, agentes competentes do mercado da fé. A cruzada da fé que promovem obedece aos princípios da ambição de lucro, sucesso na...

Leia Mais

Novo Pacto federativo?

O governador de Pernambuco Eduardo Campos levantou o tema que provavelmente ocupará um espaço relevante no debate político e mesmo eleitoral dos próximos dois anos: a repactuação da distribuição da receita e das responsabilidades entre os entes do sistema federativo brasileiro (União, Estados e Municípios). A maioria dos municípios está falida e os Estados enfrentam dificuldades financeiras porque houve, nas últimas décadas, uma concentração de receitas pela União. Em 1988, cerca de 76% da arrecadação da União era gerada pelo IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados e pelo IR – Imposto de Renda, que formavam os fundos de participação estadual e municipal; em 2010, estes tributos geraram apenas 46% da arrecadação total, resultado do aumento sistemático das contribuições e outras receitas não distribuídas e da renúncia fiscal com o IPI. A questão é complicada, mas deve entrar forte na...

Leia Mais