Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Novo velho Recife

O projeto “Novo Recife” que prevê a implantação de um complexo residencial, empresarial e hoteleiro no cais José Estelita, no Recife, tem gerado uma grande controvérsia entre urbanistas, liderados pelo Grupo Direitos Urbanos, e as empresas líderes do empreendimento. Mesmo com as alterações introduzidas no projeto depois de exigências da Prefeitura, o movimento urbanista continua rejeitando em bloco projeto argumentando que estará criando um “cinturão de torres, do Iate Clube aos fundos da Polícia Rodoviária Federal, na Avenida Antônio de Góes, uma cerca de alta renda apropriando-se da paisagem, desequilibrando-a sem qualquer sintonia e harmonia com as demais construções e usos que se poderiam fomentar na região, um autêntico arras tão dos ricos sobre os mais pobres, situação nada compatível com os princípios de transparência, participação popular, planejamento e desenvolvimento urbano previstos no Estatuto da Cidade, na Lei Orgânica...

Leia Mais

Aeroporto de Lisboa

Numa segunda feira do final de agosto de 2013, cheguei a Lisboa pelo meio da manhã, depois de uma noite mal dormida em voo da TAP. A conexão para Paris, destino de minha viagem, seria apenas no comecinho da noite.

Leia Mais

O Pedestal e o entulho – Clemente Rosas

Ainda sob o trauma da decisão final do STF sobre o cabimento dos “embargos infringentes” na ação penal do “mensalão”, volto a atormentar-me com o enigma: o que faz um homem jogar fora a chance de, com um simples gesto, passar à galeria dos heróis do seu país?

Leia Mais

O inimigo que faltava

A presidente Dilma Roussef tomou uma decisão correta do ponto de vista diplomático. O adiamento da viagem oficial é uma adequada manifestação oficial de descontentamento do Brasil com espionagem da NSA-National Security Agency dos Estados Unidos, bisbilhotando a correspondência digital da chefe de Estado e da maior empresa brasileira. Do ponto de vista das relações entre os dois países, o gesto brasileiro não vai ter nenhuma consequência mas fica registrada a mensagem simbólica de protesto e indignação com  espionagem. Se não tem efeito sobre as relações diplomáticas, a decisão da Presidente deve ter sim um impacto não desprezível sobre a sua imagem na opinião pública brasileira, apresentada como a presidente que enfrentou o imperialismo internacional diante da agressão à soberania brasileira. O “agressor externo” era o que faltava para apresenta-la como uma estadista e uma líder internacional, o que...

Leia Mais

Velho, eu? – Clemente Rosas

O título é apenas chamativo, não há nele pretensão ou jactância. Ocorre simplesmente que um amigo de geração, convidado a dar seu depoimento para um livro sobre a condição de idoso, comum a nós dois, provocou-me a fazer o mesmo.

Leia Mais

Consciência e obediência

Na fuga do senador boliviano Roger Pinto da Embaixada brasileira em La Paz, o diplomata brasileiro Eduardo Saboia quebrou a hierarquia do Itamarati e, ao mesmo tempo, criou um conflito diplomático com a Bolívia ao retira-lo do país sem salvo-conduto. Entre a obediência às regras institucionais e diplomáticas e a consciência que, segundo ele, o senador estaria sendo vítima da intolerância do governo boliviano e da leniência do governo brasileiro que tinha concedido asilo diplomático, Eduardo Saboia assumiu os riscos e a responsabilidade. Não cabe julgar se o Roger Pinto merecia asilo e nem mesmo qual o nível de perigo que corria. Cabe considerar que o diplomata brasileiro tomou uma decisão ousada com a sua avaliação da situação e sua consciência política e moral. Guardadas as proporções, o gesto isolado de Eduardo Saboia lembra a atividade secreta de Aracy...

Leia Mais

E as alamedas se abriram …. – Sérgio C. Buarque

Há 40 anos, numa manhã cinza e amarga, os chilenos acordaram com o pronunciamento grave e sereno do presidente Presidente Salvador Allende anunciando o golpe de Estado que terminaria com a curta experiência de socialismo democrático na América Latina.

Leia Mais

Tirando as máscaras

Estamos diante de dois fatos, aparentemente distantes, porém correlacionados. O primeiro é o voto secreto no Congresso e em todas as casas legislativas.

Leia Mais

Recife Era Uma Festa

A partir de meados dos anos 1970, muita gente com quem convivia caiu numa grande festa nas noites de Recife. Vínhamos todos, ou quase, da esquerda política que era a tônica nos círculos da classe média universitária.

Leia Mais

Sobre o mal de massas, o de targets e os burocratas

Será Eduardo Saboia uma nova Dona Aracy, a mulher de Guimarães Rosa, que como burocrata do Itamaraty concedeu, se arriscando, vistos a judeus que conseguiram escapar do burocrata Eichmann?

Leia Mais

Carlos Fernando! – David Hulak

Perdemos mais um: o manso e profícuo Carlos Fernando.
Não quero fazer um necrológio, juro. Tentarei chamar a atenção dos que lerem isso para um grande brasileiro que não é celebridade.

Leia Mais