Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

O nobre camponês – Editorial

Bruno Maranhão foi um nobre. Não exatamente pela sua origem de classe. Ele foi um nobre na generosidade e na enorme afetividade. Um homem da elite pernambucana que dedicou sua energia e seu talento às lutas políticas, ao socialismo e, principalmente, ao movimento camponês do Brasil. Filho de um grande usineiro e de uma tradicional família pernambucana, Bruno abandonou um projeto profissional e pessoal promissor e a vida social na alta burguesia, para se entregar à militância política, à vida clandestina durante a ditadura e à organização dos trabalhadores sem terra nos anos recentes. Bruno foi um nobre camponês. Nobre por um acidente genético e camponês por uma opção política. Não é necessário concordar com os métodos e as posturas políticas de Bruno para respeitar e admirar sua coragem pessoal e sua ousadia política na entrega às lutas sociais,...

Leia Mais

O reino da utopia – Francisco de Assis

Turvados
os horizontes da noite
nos entretinham com sonhos
vazados de um sono indócil.

Leia Mais

Uma quase crônica de ano novo – Francisco Cunha

Quando iniciei minha vida profissional em 1982, o Brasil estava “quebrado”, ainda no regime autoritário-militar e vivendo um ciclo inflacionário arrasador que nublava qualquer perspectiva de futuro.

Leia Mais

O petróleo é nosso. Mas o álcool …..! – Editorial

Com o Proálcool, ambicioso e bem sucedido programa criado pelo inquieto e criativo físico Bautista Vidal (falecido em junho último), o Brasil praticamente inaugurou a era da energia de biomassa em substituição da gasolina. Combustível renovável, na medida em que usa a cana-de-açúcar como matéria prima, a combustão do álcool é bem menos poluente que a gasolina, contribuindo para a redução da emissão de gases de efeito estufa. Pela liderança e domínio da tecnologia, até alguns anos atrás, o Brasil apostava em ser um grande exportador de álcool combustível para o mundo em busca de biomassa. Ao contrário, contudo, o Brasil está agora importando álcool dos Estados Unidos, onde é produzido a partir do milho com custo muito superior ao das nossas destilarias. Ocorre que a demanda do álcool flutua de acordo com o volátil preço concorrente da gasolina,...

Leia Mais

Pedrinhas e rolezinhos – Cristovam Buarque

Coincidentemente, na mesma hora em que um grupo de jovens se divertia em um shopping center em São Paulo, outros jovens estavam em uma masmorra maranhense sujeitos a maus tratos medievais.

Leia Mais

Gosto se discute? – Fernando da Mota Lima

voz corrente, que dizem ser a voz de Deus, afirma de pés juntos que gosto não se discute. Se Deus tem razão, então convém abolir a estética e de resto qualquer discussão, se é que queremos ser coerentes.

Leia Mais

Rolezinhos – Teresa Sales

Desde junho do ano passado, o Brasil está mais para a sociedade civil do que para a política. Refiro-me a política com p minúsculo, essa que aparece no cotidiano da mídia, dos inumeráveis partidos grandes e nanicos falando a mesma linguagem…

Leia Mais

Uma tarde no Pina – Teresa Sales

“Não está sentindo o cheiro do mar, mãe?” Olho para a paisagem. O mar está quase seco no quebrar das leves ondas brancas em cima do verde musgo dos sargaços. A paisagem é deslumbrante.

Leia Mais

Feliz Ano Moderno – Sonia Marques

O ano de 2013 acabou e dou-me conta de que não retribuí à altura o generoso convite de Sérgio Buarque para ser colaboradora de Será. Escrevi apenas um pequeno texto, comentando um filme.

Leia Mais

Tem uma pedra no meio do caminho… – Editorial

O Maranhão tropeçou em Pedrinha, o presídio que, nesta semana, explodiu em violência com propagação em alto grau de perversidade pelas ruas de São Luís denunciando a decadência do sistema penitenciário. As condições dramáticas que levaram a esta violência no Maranhão são, porém, semelhantes na grande maioria dos Estados brasileiros e nas principais cidades do país. Uma pedra no caminho do desenvolvimento e da paz social no Brasil. Evidencia, de forma dramática, a precária situação do sistema prisional no Brasil e o controle dos presídios pelo crime organizado, onde diferentes grupos disputam a hegemonia. A superlotação e as condições sub-humanas das prisões, o depósito promíscuo de condenados com diferentes situações e penalidades, a corr upção endêmica e a fragilidade de poder do Estado permitiram que o sistema penitenciário do Brasil se transformasse no quartel general do crime, de onde...

Leia Mais

Mudança demográfica e pobreza no Brasil – Sérgio C. Buarque

A pobreza e as desigualdades sociais no Brasil vêm caindo continuamente há duas décadas. E o desemprego desceu a níveis baixos nos últimos dez aos, mesmo com uma economia crescendo a patamares medíocres.

Leia Mais

Bondes amarelos – Teresa Sales

O certo seria chamá-los pelo nome. Mas é muito mais bonito bondes. Principalmente porque eram amarelos. Já viu como perde todo encanto nomear uma crônica “ônibus elétricos”?

Leia Mais

A farra no exterior – Editorial

Os brasileiros foram à farra no exterior mais ainda neste ano de 2013. Cerca de 7 milhões de brasileiros viajaram para fora do país ao longo do ano, bem mais do que os estrangeiros que visitaram o Brasil. O país mais lindo e maravilhoso do planeta recebe apenas 5,7 milhões de turistas, muito pouco quando se considera que a pequena Costa Rica recebe 2,3 milhões e o Uruguai chega a 2,7 milhões de turistas por ano. A farra dos brasileiros gerou, em 2013, um déficit da conta turismo de US$ 18,6 bilhões. Mesmo com a economia brasileira patinando, os turistas brasileiros despejaram no exterior (em 2013) cerca de US$ 26 bilhões enquanto os turistas estrangeiros gastaram aqui apenas US$ 8,0 bilhões. De acordo com a OMT-Organização Mundial de Turismo, o Brasil foi um dos países com maior crescimento do...

Leia Mais

O ano-espetáculo – Editorial

Dois grandes eventos programados garantem as emoções de 2014: a Copa do Mundo de Futebol e as eleições gerais de outubro. 2014 será o ano-espetáculo. A Copa do Mundo vai despertar o entusiasmo futebolístico dos brasileiros que pode explodir em alegria nacionalista ou afundar numa depressão, a depender do desempenho da “pátria de chuteira”. De qualquer forma, o povão vai ficar fora dos estádios, barrado pelos ingressos, tão perto mas tão longe quanto na copa da África do Sul. E as eleições? Evento político que, no entanto, promete ser outro grande espetáculo midiático, jogo de imagens e pirotecnia fabricado por competentes marqueteiros. A festa democrática será uma disputa política e terá grande importância para o futuro do Brasil com a definição dos novos governantes e dos novos parlamentares. Mas, como tem sido nos últimos pleitos, as eleições serão uma...

Leia Mais