Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Os Vinícius brasileiros – Editorial

O fato: na Zona Norte do Rio de Janeiro, uma mulher foi assaltada no ponto de ônibus, socorrida por um policial que, com ela no seu automóvel, saiu em busca do ladrão. Ela o identificou e o policial, mesmo verificando que ele não estava com a bolsa roubada, levou-o algemado ao Distrito Policial, onde foi registrado o flagrante, e em seguida a uma Casa de Detenção na região metropolitana do Rio, onde ficou preso por mais de duas semanas. O contexto: Vinícius Romão de Souza, negro, 27 anos, ainda estaria mofando na cadeia por um crime que não cometeu, não tivesse atuado em uma novela da Rede Globo e não existissem as redes sociais. O equívoco foi amplamente divulgado pela grande imprensa, justamente depois de entrarem em ação as redes sociais e a rádio Globo. Do incidente, fica o...

Leia Mais

Carnavais – Teresa Sales

Eu ficava fascinada com as fantasias de Lília. Cada ano uma diferente. Mais nova e com ares superiores, ela me ensinava a fazer o passo. Para meu pai, carnaval era festa do diabo.

Leia Mais

A aposta econômica – Editorial

O governo da presidente Dilma Roussef entra neste ano eleitoral com um enorme dilema na gestão macroeconômica. Depois de dois anos de contenção artificial das pressões inflacionárias com base numa generosidade populista – forçando a baixa das tarifas de energia elétrica e segurando os preços da gasolina – a frágil barragem dos preços ameaça estourar precisamente a alguns meses das eleições. Esta é a herança maldita que o governo criou para ele mesmo e que vai provocar enxaqueca na presidente e cobrir de gritos os seus auxiliares. Para completar o desmantelamento financeiro da Eletrobrás e suas associadas, São Pedro parece que anda aborrecido com a presidente não mandando as esperadas chuvas de verão a montante das hidrelétricas. O governo anunciou com pompa um corte nos gastos de R$ 44 bilhões de reais e vai pedir que os Estados contribuam...

Leia Mais

O detergente ideológico – Sérgio C. Buarque

Sérgio C. Buarque  A Venezuela está em crise, grave crise. Mas o discurso ufanista do governo bolivariano apresenta outro país ou simplesmente responsabiliza os outros (oposição, imperialismo, mercado e imprensa) pelas mazelas que não pode maquiar e esconder. O abismo que separa a versão governamental da realidade da Venezuela é o que mostra artigo do sociólogo e intelectual venezuelano Ignacio Ávalos publicado no El Nacional neste 12 de fevereiro (antes das manifestações e da violência política em Caracas). Numa tradução livre ele comenta: “Dizem que avançamos no caminho da soberania alimentar, mas a realidade mostra que serão gastos milhões de dólares em importações porque, do contrário, não comeremos. Que houve avanços notáveis na diversificação da economia, mas os fatos mostram que nunca dependemos tanto do petróleo. Que está sendo implementado um novo  modelo econômico e, no entanto, a realidade...

Leia Mais

Lições sobre Hannah Arendt – Fernando da Mota Lima

As coleções ideadas pelos editores para servirem de pórtico ou introdução didática à obra de grandes escritores e pensadores são uma faca de dois gumes.

Leia Mais

Dois vexames – Editorial

A cassação do mandato do deputado federal Natan Donadon, condenado a uma pena de mais de treze anos de prisão por crimes de corrupção, pela unanimidade de 467 votos a favor e apenas uma abstenção, tem algo de vexatório, quando se considera que no ano passado, em 28 de agosto, a mesma Câmara dos Deputados rejeitou a medida. Naquela ocasião, os que votaram pela cassação foram apenas 233 deputados. Mesmo processo, mesmos personagens, mesma instituição. A única coisa que mudou foi o método: antes, voto secreto; agora, voto aberto. Em menos de um ano, praticamente metade dos nossos representantes, obrigados a confrontar seus eleitores sem a proteção do anonimato, “virou a casaca”. Independentemente do entusiasmo que a cassação de agora pode provocar nos brasileiros interessados na moralização da coisa pública, a súbita mudança nas convicções dos deputados com assento...

Leia Mais

Queimando o patrimônio – Editorial

A prioridade para o transporte público é uma das grandes reinvindicações da sociedade brasileira em contraposição ao modelo do automóvel particular como meio de locomoção nas cidades. A implantação imperiosa e urgente de um sistema moderno e eficiente de transporte público é a única resposta ao caos das cidades. As cidades precisam de muito mais veículos públicos de passageiros, de vias exclusivas para aumentar a velocidade média, e de desestímulo à circulação de automóveis. E, no entanto, o esporte favorito do momento tem sido a queima de ônibus, destruindo os equipamentos que compõem a ainda limitada frota de coletivos. Foram cerca de 40 só este ano que mal começa e apenas em São Paulo. O patrimônio é da empresa de ônibus, certo, e o serviço é ruim. Mas está piorando pela redução da frota, pelo medo dos usuários, pela...

Leia Mais

Casa de Campo – Teresa Sales

Dizem. Quem compra qualquer pedaço de terra, granja, chácara, casa de campo, como segunda opção de moradia/recreio, tem duas felicidades: uma quando compra, outra quando vende.

Leia Mais

Alma em fogo – Clemente Rosas

Amigo Aldo Arantes: Escrevo-te do meu terraço de praia, na companhia de coqueiros e passarinhos, com a brisa no rosto e o mar a meus pés.

Leia Mais

Cabra que não devia morrer. – David Hulak

Cáspite! Raios me partam vou terminar especialista em necrológios.

Sofri. E as vinte quatro horas passadas da tragédia que envolveu Eduardo Coutinho, sua mulher e o seu filho ainda doem.

Leia Mais