Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Psicanálise e o controle do Estado – João Rego

Recebi, recentemente, um pedido de uma amiga psicanalista sobre uma dica de livro de política. A razão desta consulta…

Leia Mais

O que os candidatos não dizem? Desigualdade regional – Editorial

A questão regional e as desigualdades econômicas e sociais entre as macrorregiões do Brasil não estão na agenda de nenhum dos candidatos a presidente.

Leia Mais

Amor em leningrado – Clemente Rosas

Por favor, apresente-me àquele seu amigo, que senta ao seu lado, na conferência – a moça soviética havia pedido ao Bezerra, que se apressara em me dar a notícia.

Leia Mais

Livre Pensar – David Hulak

Penso que não existo. Fica mais fácil..

Leia Mais

O que os candidatos não dizem? O custo Brasil – Editorial

O Brasil é um país caro. Independentemente da inflação, que aumenta os preços, o nível dos produtos brasileiros é mais alto que a média dos países, principalmente dos países emergentes. Isto decorre de vários fatores estruturais que demandam reformas e decisões relevantes do futuro presidente e que, no entanto, não constam nas suas propostas. Quando muito, estas se referem a uma reforma tributária, que todos defendem sem definir bem em que consiste; e a investimentos em infraestrutura, uma obviedade para enfrentar os custos de transporte, mas que não influenciam no aumento da produtividade do trabalho. Uma proposta para valer teria que começar atacando o baixo nível da produtividade brasileira (menos de um quinto da produtividade dos Estados Unidos, segundo Jorge Arbache), um dos principais fatores para o aumento do custo de produção. Os produtos saem das fábricas e das...

Leia Mais

A carne seca, a traíra e Sofia Loren. – João Rego

João Rego Mantinha permanentemente pendurados por um cordão, pedaços de carne seca e toicinho. Quando ia cozinhar o feijão, com engenhoso gesto soltava o barbante, que deslizava pelos esfumaçados caibros rústicos do teto da sua cozinha, até chegar com aquela “toiceira” de carne defumada na panela. Após cumprida a missão de liberar seus sabores no feijão daquele dia, puxava liturgicamente o barbante e tudo subia e ficava pendurado, qual uma carcaça de caça, para ser usado em outras oportunidades. Durava semanas. Segundo Jacqueline, minha irmã, este era o segredo de Seu Ireno para que o feijão ficasse delicioso. Ele era um dos moradores da Vazante, figura atípica naquela região, pela delicadeza no falar e que, sozinho — não sei se fora abandonado pela mulher ou se era viúvo— criava seus três filhos: dois rapazes e uma menina. Lembro-me que...

Leia Mais

Frei Betto e falsas motivações do voto – Sérgio C. Buarque

Frei Betto é um homem culto, sério e informado. Mas a paixão política parece leva-lo a cometer vários equívocos e impropriedades quando manifesta sua posição política nas próximas eleições …

Leia Mais

Restaure-se a modernidade ou grafitemo-nos todos! – Sobre o grafite na caixa d’Água de Olinda – Sonia Marques

O título acima parafraseia uma frase atribuída a Sérgio Porto e manifesta..

Leia Mais

Livre Pensar – David Hulak

O Homem foi uma boa ideia? Se não, apenas nos resta fazê-lo virtuoso, como concluíram alguns talmudistas.

Leia Mais

O que os candidatos não dizem? – Reforma do Estado – Editorial

Sem explicar a natureza e os componentes das propostas, todos os candidatos prometem realizar uma reforma política que, normalmente, se limita à reforma do sistema eleitoral. Qual é a reforma política que melhora o sistema de representação e, principalmente, enfrenta a corrupção e a promiscuidade dos políticos? Mas, e a reforma do Estado? É na estrutura do Estado que reside grande parte dos nossos problemas políticos, onde circulam bilhões de dólares pelos cargos comissionados ocupados politicamente. São mais de 20 mil cargos comissionados no governo federal entregues aos partidos da base aliada e aos militantes de duvidosa competência, parte deles nomeados precisamente para ser operador do orçamento público. Primeiro ponto de uma reforma do Estado: todos os cargos públicos devem ser ocupados por servidores públicos de carreira e de acordo com o mérito e a progressão profissional. Ministros e...

Leia Mais

Pedras no caminho de um livro – Teresa Sales

Fui concebido e gestado num tempo bom. Depois de escrito, minha autora escolheu à dedo (ou melhor dizendo, eu é que fui escolhido por) uma madrinha que, com todo o gosto e zelo, preparou o enxoval.

Leia Mais

Poder, cultura política e autonomia do cidadão – João Rego

Peguei a Revista VEJA desta semana e senti o peso das denúncias de corrupção nela. Lembrei-me do tempo da ditadura quando não sabíamos de nada e a corrupção sangrava …

Leia Mais

Livre Pensar – David Hulak

David Hulak Não confundir esperteza com inteligência. Desta não vamos desistir. Combinado?   ***   A conta do Auxílio Desemprego pode vir a aumentar. Tony Volpon e Benito Berber, da Namura Securites podem vir a precisar, por crime eleitoral.   ***   Os gestores da crise do Euro e os dos bancos daqui não aprendem, poxa! Economistas bem postos atribuem à banca excesso de conservadorismo nas suas operações de financiamento e culpam o setor financeiro por uma parcela do resultado negativo na economia. Deu na imprensa.   ***   Até quando ex-mulheres, motoristas e secretárias assombrarão os políticos, hein Hollande?   ***   A vida seria menos animada se não houvesse Brasil e Argentina. Apesar da goleada com o Papa, há o empate de Rainhas com Silvia, da Suécia e Máxima da Holanda. Agora os vizinhos se amostraram com...

Leia Mais

O que os candidatos não dizem: previdência – Editorial

Campanha eleitoral não é um bom momento para descobrir o pensamento político dos candidatos porque, no geral, não dizem o que efetivamente pensam e, menos ainda o que poderão vir a fazer se ganharem a eleição. Parece paradoxal se for considerado que a campanha é para decidir o futuro do Brasil, mas os candidatos são guiados no seu discurso pela pesquisa de opinião. Como eles não querem desagradar a nenhum grupo de interesse e procuram agradar a todos o que, evidentemente, não é possível em um país com tantas contradições. Principalmente quando se trata de questões estruturais e que representam distribuição de recursos entre segmentos sociais e mesmo entre gerações, como no caso da Previdência social. Os candidatos sabem que, no médio prazo, é inviável a manutenção das regras da Previdência social, especialmente do setor público, com o acelerado...

Leia Mais

Seu Elídio. – João Rego

João Rego Meu avô tinha um chapéu de Jim das Selvas. Durante sua vida toda, pelo menos a que eu convivi com ele, trabalhou como Guarda da Febre Amarela. Todos os agentes tinham aquele chapéu e uma farda caqui, que era sua marca registrada. Doença transmitida pelo bisavô do mosquito da dengue, fez um enorme estrago no Brasil. Por isso, havia os agentes do Ministério da Saúde que saiam de casa em casa, principalmente nas áreas rurais, identificando e tratando de erradicar os perigosos mosquitos. No interior do nordeste, todas as casas, no mais remoto sertão, lá no meio do mato mesmo, onde o vento faz a curva, tinham escrito em carvão ou giz, ao lado da porta, bem visível, umas letras e números indicando que a casa havia sido inspecionada. Quando abandonadas, já em escombros e tomadas pelo...

Leia Mais