Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

A globalização do futebol – Editorial

Neymar comemora gol contra a Croácia na abertura da Copa.

Neymar comemora gol contra a Croácia na abertura da Copa.

O futebol tornou-se uma atividade esportivo-cultural altamente globalizada. Esta globalização crescente se manifesta na abrangência do interesse e das emoções que desperta (mais de dois bilhões de pessoas vão assistir aos jogos) e pelo volume de negócios que mobiliza em todo mundo (bilhões de dólares só em transmissão e publicidade). Mas a globalização é mais evidente na enorme mistura de nacionalidades e culturas nas grandes equipes e nas diversas seleções que participam agora da Copa do Mundo. Nesta elite do futebol mundial, a maioria dos atletas joga em times da Europa, vários dos jogadores dividem ou já dividiram posições e disputaram torneios nas mesmas equipes, especialmente os latino-americanos (destaque para os brasileiros). A intensa globalização na elite do futebol cria uma mistura cultural que tende a eliminar a diferenciação de estilos que reflete as características culturais de latinos e anglo-saxões. Gilberto Freyre dizia (já anos 30) que o futebol brasileiro é diferente do europeu pelas qualidades de surpresa, manha, astúcia e ligeireza que são parte da nossa cultura. O futebol latino seria dionisíaco enquanto o europeu era apolíneo, lógico, racional, programado e disciplinado. O cineasta italiano Pier Paolo Pasolini é da mesma opinião distinguindo o futebol poesia, praticada pelos latinos, do futebol prosa dos europeus; a poesia no ato individualista do drible, do passe inspirado, da inovação, e a prosa baseada no jogo coletivo, organizado e disciplinado. Será que este processo de integração global e de mistura de culturas e estilos não estaria acabando com as diferenças? Os latinos difundindo na Europa a cultura do improviso individual e, por outro lado, nossos atletas apreendendo tática, jogo coletivo, disciplina e planejamento? Neste caso, melhoram todos. Por outro lado, a competição na Copa pode tornar-se muito mais equilibrada e excessivamente técnica. Mas, felizmente temos a poesia de Messi, Iniesta, Neymar e Cristiano Ronaldo (upa! latinos?).

Os Editores
www.revistasera.info

 

4 Comments

  1. A partir de hoje valerá a pena acrescentar van Persie e Robben, não latinos. Ou será que não há mais latinos e não latinos? Entre o mundo de Messi ou Cristiano Ronaldo (ou meu trabalho ou minha família) e o de Gilberto Freyre e Pasolini há maior distância que entre o destes últimos e, sei lá, Cristóvão Colombo. Algumas muralhas caíram, outras novas foram erguidas. A principal é hoje entre os criadores e os não criadores. Ou será que sempre esteve aí, e distraídos enquanto olhávamos para outro lado nos deixamos convencer de que existem barreiras étnicas ou genêticas? O projeto genoma já deixou poucas dúvidas de que estas últimas nunca existiram.

  2. Além de globalizado, o futebol tem ficado cada vez e rapidamente mercantilidade. Tenho a impressão que está é uma das “ultimas” mais cinco ou dez ainda, copa por nações. Ela tende a ser por patrocinador privado de cada time. Seleção da Nike, adidas, Apple …. Como as escudeiras da Dormula I. Prova disso é como já é um evento destas empresas e como os jogadores pouco têm a ver com o seu país de nascimento, seja porque vivem e jogam fora, seja porque se nacionalizam em outro cada vez com mais facilidade.
    Cristovam

  3. O futebol é, há várias décadas, um desporto praticado um pouco por todo o mundo.
    Na última década, no entanto, ele deixou de ser apenas um desporto, tendo-se
    tornado uma indústria global.

  4. Hoje em dia o futebol é conhecido pelo todo o mundo, o futebol esta conhecido como um esporte global, e o futebol se tornou uma industria.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *