Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Dias buliçosos – Fernando Dourado

Tempo desses intitulei de Dias Luminosos, as reminiscências publicadas aqui, alusivas ao período compreendido entre dezembro de 1975 e abril do ano seguinte, quando chegou a primavera à Baviera. Na sequência, em Dias ruidosos, alonguei-me em outras tantas sobre o intervalo que principiou com minha chegada à cidade de Radolfzell…

Read More

As evocações de Otto Lara Resende – Paulo Gustavo

Acaba de sair, neste fim de 2017, um belo livro para quem deseja conhecer, sob novos ângulos, algumas das maiores personalidades do século 20 brasileiro. Num país pouco afeito à memória como o Brasil, o livro vem em boa hora e nos deixa frente a frente com personagens que fizeram história.

Read More

Amena Lembrança – Clemente Rosas

Desculpem não ter tido tempo de me despedir de vocês.  Para mim, a porta da outra dimensão abriu-se bruscamente, e não há como recusá-la. 

Read More

Paixão segundo São Mateus, a mais dramática partitura de Bach – Frederico Toscano

Universalmente aclamada como uma das obras-primas da música ocidental, a Paixão segundo São Mateus (ou Passio Domini nostri J.C. secundum Evangelistam Matthæum, no seu título original em latim) é a obra mais extensa do compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750).

Read More

Dias ruidosos – Fernando Dourado

Quando cheguei a Radolfzell, era abril e a primavera tinha me antecedido em alguns dias. O Bodensee – o lago de Constança – começava a se preparar para a grande festa do verão, muito embora ainda estivéssemos a mais de 60 dias de calendário do início oficial.

Read More

Dias luminosos – Fernando Dourado

Nem bem voltei da Europa em 1973, já estava determinado a regressar logo que pudesse ao Velho Mundo. Para isso, é claro, precisava cumprir mais uma ou duas etapas da trajetória escolar. Eu adorara a França e a Inglaterra.

Read More

Guimarães Rosa: Uma visão não-apologética – Clemente Rosas

A publicação, na Revista Será?, do luminoso artigo de Paulo Gustavo, a propósito dos cinquenta anos da morte de Guimarães Rosa, levou-me a encarar projeto bastante antigo, para cuja realização me vinha faltando coragem. 

Read More

Vestígios de Ishiguro – Paulo Gustavo

Quer apreciemos ou não o mercurial processo de concessão do Prêmio Nobel (como de resto o de tantos outros prêmios), a láurea é um ícone de nosso tempo.

Read More

Mães e fadas – Clemente Rosas

Os jornais de João Pessoa talvez tenham estampado magros obituários.  O funeral transcorreu sem muitas lágrimas.  E assim, discretamente como viveu, ao cabo de longa e penosa enfermidade, morreu Maria Luíza, a fada da minha infância.

Read More

Fragmentos de cinco vidas – Fernando Dourado

Hoje nossa rigorosa mestra propôs um exercício que, para ser sincero, a todos nós soou tão pueril que resolvi, de minha parte, levá-lo a sério. Por parecer excessivamente ginasiano, deduzi que devia me esforçar para acessar uma sutileza qualquer que me escapava.

Read More

Impressões de um viajante: Sevilha – João Rego

Talvez devido ao fato de que nossa existência seja tão efêmera, diante do longo período de tempo da história humana, é impossível para nossa consciência ter a noção real de que tudo que está à nossa volta, e nos constitui como sujeito…

Read More

Guimarães Rosa: Meio século de posterioridade – Paulo Gustavo

Não fosse o Brasil tão pouco afeito à Literatura — ou, dizendo de outro modo, fosse mais literariamente educado —, as celebrações a Guimarães Rosa nestes seus 50 anos de morte estariam pipocando e bombando nas instituições literárias e culturais do País.

Read More

Cidade e Poesia – Paulo Gustavo

Em sua monumental obra “Literatura Europeia e Idade Média Latina”, o crítico alemão Ernst Robert Curtius assinala que “A teoria literária da tardia Antiguidade determinou minuciosamente os preceitos do panegírico de cidades…

Read More

O enterro do Padre – Ivanildo Sampaio

Não lembro de outro episódio nessa minha longa vida de repórter que tenha causado mais comoção do que a Missa de Corpo Presente e, depois, a cerimônia de sepultamento do padre Henrique Pereira Neto, o jovem…

Read More

Mistério e êxtase no Réquiem de Mozart – Frederico Toscano

Quase 226 anos após a sua morte, o compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) continua nadando na crista da onda da popularidade internacional. Em 2016, foi aclamado como o artista que mais vendeu discos, superando astros da música pop como Adele e Beyoncé…

Read More

O dia em que perdi o Nobel de Literatura – Fernando Dourado

Fazia já pelo menos uma semana que eu não dormia direito. Quando escurecia lá fora, escurecia aqui dentro, e eu sentia uma angústia que me subia pelo pescoço e, com ela, vinha uma vontade incontida de chorar.

Read More

Os Voluntários da Paz – Ivanildo Sampaio

Foi em 1965, ainda estudante e estagiário, sob a ditadura do marechal Castelo Branco e coberto de má vontade, que fui escalado para  fazer uma reportagem sobre a presença do Peace Corps em Pernambuco…

Read More

Encontros com Proust – Onívora pupila: reflexão e moralidade – Paulo Gustavo

Não é preciso qualquer leitura aprofundada de “Em busca do tempo perdido” para se saber que ela abriga um vasto repositório de reflexões.

Read More

Memórias de 1968 – Clemente Rosas

Talvez a proximidade do cinquentenário dos acontecimentos de 1968, “o ano que não terminou”, como o descreveu Zuenir Ventura em seu livro, tenha motivado intelectuais da minha terra a colher depoimentos dos participantes das agitações estudantis na Paraíba…

Read More

Salomé de Strauss, o resgate polêmico de uma figura bíblica – Frederico Toscano

Mesmo sendo considerado o último compositor romântico alemão, as influências operísticas de Richard Georg Strauss (1864-1949) não podem ser reduzidas a um único estilo.

Read More

Terraço – Luiz Otavio Cavalcanti

Uma casa pode ser olhada de fora para dentro. Ou de dentro para fora. De fora para dentro a casa é um cofre. Onde comida, afetos e abraços são guardados. E nós não os vemos. De dentro para fora a casa é um observatório.

Read More

Madama Butterfly de Puccini, um choque cultural no Extremo Oriente – Frederico Toscano

O compositor italiano Giacomo Puccini (1858-1924) – que tinha um enorme nome de batismo (Giacomo Antonio Domenico Michele Secondo Maria Puccini) – ocupa lugar ímpar na história da ópera graças a La Bohème…

Read More

Certa sexta – Luiz Otavio Cavalcanti

Sexta é dia para se sair de smoking. Preparado para as melhores idas. Ou por outra: sexta é dia para se sair bem leve. Preparado para as mais imprevistas vindas. Nas idas ou vindas, sexta é feita de perceptível encanto.

Read More

No tempo dos discos voadores – Ivanildo Sampaio

Pode parecer ficção, mas já houve um tempo em que grande parte das famílias brasileiras acreditava na existência de discos voadores. Ou de OVNIs – Objetos Voadores Não Identificados, que surgiam e desapareciam no céu,

Read More

Encontros com Proust: O caráter mental da realidade – Paulo Gustavo

Qualquer leitor mais atento da “Busca” tem a vívida sensação de que sempre há muito por decifrar, pois o real da narrativa sempre propõe, senão exatamente enigmas, novas e curiosas surpresas.

Read More

Eugênio Oneguin de Tchaikovsky, o remorso por um amor não correspondido – Frederico Toscano

O compositor Piotr Ilitch Tchaikovsky (1840-1893), primeiro russo a conquistar fama internacional na música, é mais conhecido pelas sinfonias…

Read More

Memórias de Redação: O Último Trem do Sertão – Ivanildo Sampaio

De Sertânia a Salgueiro, a velha locomotiva parecia ainda mais cansada e mais lenta – vencendo o chão seco do Sertão, serpenteando pelo meio da caatinga, até encostar, finalmente, na derradeira estação do percurso.

Read More

Carmen de Bizet, a primeira ópera feminista da história – Frederico Toscano

Ao morrer em 2 de junho de 1875, aos 36 anos, o compositor francês Georges Bizet (1838-1875) não tinha sobrevivido o bastante para saber que sua ópera Carmen tornar-se-ia uma das mais queridas obras musicais jamais escritas e a mais amada de todo o repertório francês.

Read More

Aconteceu em Nob Hill – Fernando Dourado

Naqueles dias, quando os anos 1980 estavam a poucos meses do fim, San Francisco ainda era cheia de casarões vitorianos de sacada florida onde se alugavam cômodos amplos para temporadas curtas.

Read More

Memórias da Redação: O Nike Bar – Ivanildo Sampaio

Foi numa sexta-feira quente de verão que Adolfo Bloch baixou no Nike. Vinha possesso. Procurava um mecânico que deveria estar no plantão das oficinas e que alguém informou que certamente ele estava no Nike Bar.

Read More