Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

CAUSOS PARAIBANOS XI – O Peru de Natal Extraviado – Clemente Rosas

Clemente Rosas

Peru (Meleagris gallopavo).

Dos irmãos de meu avô paterno, Joca Viriato, Tonico e Álvaro, conheci apenas o último, que viveu seus últimos anos na vila portuária de Cabedelo, onde tínhamos casa de praia.  Já bem avançado na idade, e vendo pouco, visitava meu pai para pedir ajuda na liquidação dos seus negócios.  O principal deles foi a venda de uma extensa faixa de terreno arenoso na ponta de Camboinha, entre as praias tradicionais do Poço e Formosa.  (Camboinha é hoje praia sofisticada, concorrendo com Tambaú, já incorporada à cidade de João Pessoa).  O coqueiral estava velho, já não rendia, e ele não viveria mais para desfrutar de nova plantação.

Tio Álvaro, como os outros filhos de Dona Sérvula, não era mole.  Mandou fazer, certa vez, uma porteira para o seu sítio, em madeira nobre, possivelmente baraúna, que é de origem nordestina.  Todo orgulhoso dela, descobriu, de repente, que um passante havia tirado a facão algumas lascas da madeira, sabe-se lá com que objetivo. Indignado, mas sem poder identificar e punir o predador atrevido, mandou pintar na porteira, em grandes letras vermelhas, a advertência:

BANDIDO E LADRÃO: ARRISCOU-SE MUITO!

No caso da faixa de praia em Camboinha, meu pai intermediou a venda, recusando-se a receber o lote de terreno que lhe foi oferecido, em recompensa.  E, chegando o final do ano, Tio Álvaro resolveu mandar-nos de presente um peru, para a tradicional ceia natalina.  Confiou a tarefa da entrega a um dos cabras que lhe prestavam algum serviço.

(Abro parêntesis para um breve comentário.  Nunca entendi por que um animal tão delicado e tão dócil como a cabra passou a designar, no Nordeste, seres humanos do chamado sexo forte, nem sempre exemplares.  Pois há cabras bons e cabras ruins.  Os primeiros compreendem duas subcategorias: os “cabras machos” e os “cabras da peste”, sendo estes os que topam qualquer parada, e nunca negam fogo.  Os segundos também comportam divisão: são os “cabras safados” e os “cabras de peia”, entendidos os últimos como os imprestáveis, que só merecem castigo.  Deixo aos leitores a classificação do coadjuvante desta narrativa).

O entregador, com olhos avermelhados e a habitual “cara de leão” dos cachaceiros, chegou ao seu destino com o peru debaixo do braço, e apressou-se em passá-lo às mãos de quem primeiro lhe apareceu no terraço da casa: eu, menino de uns dez a doze anos naquela época.  Não me lembro se me disse quem o mandava.  Simplesmente, recebi a nobre ave e soltei-a no quintal, onde ficou sem ser notada, esquecendo de avisar a minha mãe.

No dia seguinte, em visita, o autor do presente pediu a meu pai confirmação do seu recebimento.  E meu pai:

Que presente?  Um peru?  Não recebi nenhum aqui!

Tio Álvaro retirou-se, carrancudo, voltando algum tempo depois, o cabra alguns passos à sua frente, ele atrás, como se tangesse um garrote manso.

– Foi aqui que você entregou o peru?

– Foi, sim senhor.

– Entregou a quem?

– A um menino.

– Que menino?  Conte essa história direito, rapaz! – já se enfezava o Tio Álvaro.

Para sorte do entregador sob suspeita, eu apareci no terraço, inesperadamente.

– Foi esse aí, seu Álvaro.

E eu confirmei o fato, na santa ingenuidade infantil, nem nenhuma noção do problema que poderia ter causado.

Tudo esclarecido, o peru foi identificado, e, nos estilos, sacrificado para a ceia de Natal. Com aproveitamento da carcaça, no dia seguinte, em uma especialidade da nossa mesa, louvada por quantos forasteiros já a degustaram: a “feijoada de peru””.

 

8 Comments

  1. Clemente,

    Eis que você brinda a sexta-feira com mais um primor de narrativa com o inconfundível gosto da infância interiorana. Tão suculenta quanto pode ser uma feijoada de peru, foram seus parêntesis esclarecedores sobre as diversas acepções da palavra “cabra”. Até para quem é da região, nos refrescou a memória e colocou tudo em seu devido lugar. Cabra bom de prosa, você é. E também de poesia, pelo que sei.

    Abraço,

    Fernando

  2. Ótimo, Clemente! Na minha casa chamava-se o “o enterro dos ossos” a degustação da ossada do peru no dia seguinte, com alguns legumes, charque e o imprescindível toucinho, compondo a nossa feijoada nordestina. Bela reminiscência

  3. Clemente,
    Sou leitora incondicional de seus causos e espero que venham muitos mais para você publicá-los em livro. Desse, gostei especialmente do parêntesis. E conto outro causo ocorrido, esse quando eu era pesquisadora do Cebrap, lá se vão muitos anos. Haveria o lançamento do filme de Eduardo Coutinho mais famoso. Os da área de estudo “Agricultura e Questão Agrária” fomos convidados. Vinícius Caldeira Brant, mineiro que conhecia o Brasil, atentou a tempo para corrigir o título do filme que seria divulgado na imprensa: “Uma cabra marcada para morrer”. Só paulistas filhos de nordestinos, como são os meus e de tantos amigos, aprenderam cedo a serem chamados de cabras, tanto no bom como no mau sentido. Mas a dúvida persiste: por que cabra? Talvez só a lógica hegeliana dos contrários explique.

    • Preciso do seu telefone para um contato direto.grande abraço de Ivan

  4. Amigos Fernando e Ivan, amiga Teresa:
    Nunca estou plenamente seguro sobre se meus “causos” vão despertar interesse.
    Seus comentários, portanto, são motivo de muita gratificação para mim.
    Obrigado a todos.
    Clemente

  5. Clemente, gostei muito do seu causo. Aliás, gostei dos causos paraibanos todos. Cabra, até cabra da peste (e não havia uma musiquinha com “cabra macho, sim sinhô?) é expressão que conheço desde a juventude. Nem sei o porquê, acho que encontrei muito nordestino no Rio no meu tempo de faculdade. Ando acusada de rejeitar a literatura, mas acho que o que me interessa é o “O Mundo na Ficção”, isto é, gosto de literatura quando o que ela revela me interessa ou me ensina. “O Mundo na Ficção” é uma seção na revista “Política Externa”, criada pelo editor da revista, Carlos Eduardo Lins e Silva, que publicava resenhas de livros e filmes que tratassem de temas que caiam sob a rubrica “relações internacionais”. Eu amava essa seção, fiz várias resenhas para ela. Mas, insisto, tratava do “mundo”, e da literatura só enquanto mostrava este ou aquele “mundo”. Por exemplo, o que “Neve” de Orhan Pamuk revela da Turquia?

  6. Helga,

    Você promove o meu Nordeste à condição de país, pedaço do mundo, entendendo que a nossa realidade pode ser tão estimulante quanto a da Turquia, ou outro recanto menos conhecido da terra. E isso me gratifica pessoalmente.
    A propósito, sou grande apreciador de Nikos Kazantzakis, o grego cuja ficção, focada em pequenas aldeias de sua terra, nos dá lições de vida de dimensão universal. E tenho sempre presente a afirmação atribuída a Tolstoi, não sei se exatamente como a reproduzo agora: “Se queres ser universal, canta a tua aldeia”. É o que procuro fazer, modestamente.
    Quanto à modinha, na verdade, a referência é a uma “mulher macho, sim senhor”, dirigida ao próprio Estado, que se afirma forte e corajoso, mesmo com nome feminino. Aqui, “macheza” é sinônimo de coragem, independentemente de sexo. Se isso hoje parece politicamente incorreto, os nordestinos devem desculpas, já antecipadas.
    A canção de Luiz Gonzaga é um dos hinos populares paraibanos. O outro é “Meu Sublime Torrão”, do compositor conterrâneo Genival Macedo.
    Se os moderadores dos comentários não cortarem este trecho final, por dispensável, aqui vai a modinha referida:
    “Quando a lama virou pedra
    E o mandacaru secou
    Quando a arribaçã de sede
    Bateu asas e voou
    Foi então que eu vim embora
    Carregando a minha dor
    Hoje mando um abraço pra ti, pequenina…
    Paraíba masculina, mulher macho, sim senhor!”

    • Que lindo, Clemente. A modinha que ouvi, em tempos que hoje me parecem longínquos, era essa.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *