Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Certa sexta – Luiz Otavio Cavalcanti

Luiz Otavio Cavalcanti

Wine.

Sexta é dia para se sair de smoking. Preparado para as melhores idas. Ou por outra: sexta é dia para se sair bem leve. Preparado para as mais imprevistas vindas. Nas idas ou vindas, sexta é feita de perceptível encanto. Que sai do calendário e entra na cabeça da gente. Como hoje.

Hoje é sexta. Dediquei a manhã aos fazeres triviais. Encerrei o expediente pelas quatro e meia da tarde. Ao sair, comecei a sentir o clima langoroso da sexta. Passei na frutaria. Peguei preguiçosamente o carrinho de compras. Caminhei, com calma de especialista, entre carnes, queijos e frutas.

Apanhei três maçãs, dois cachos de uvas escuras e um pedaço de bolo inglês mesclado. Não tinha eski-bom. São bombons de chocolate com sorvete dentro. Para o gato de geladeira noturno. Tive que ir ao posto da esquina. Lá sempre tem. Tinha.

Cheguei em casa. Deixei o Valor Econômico na sala. Levei para o quarto dois livros que ganhei: um sobre Dom Quixote, outro sobre José Guilherme Merquior. Leitura de fim de semana. Troquei de roupa e comecei a preparar os sabores da sexta. Lasanha com peito de peru banhada em tinto Dona Paula, de Mendonza, Argentina.

Enquanto a lasanha esquenta no micro-ondas, fui providenciar a música. Escolhi, não ao acaso, The Other Side of Jobim, cantado por Ana Karam. Gravado em Nova York, na Radio City Station, em 1992. São onze faixas, entre elas Olha Maria, Ana Luíza, Samba Torto e Caminhos Cruzados. Com vocal, cello, oboé, baixo, percussão e guitarra. Afinadíssimo.

Hora de pegar a lasanha. Ponho delicadamente o tinto no copo aberto em flor que o recebe. Sento e começo a comer. Olha Maria, conta Maria, que estás toda nua. Maria na lua, nos braços do mar, eu só queria uma vida pra te oferecer, Maria.

A noite lá fora corre solta. Um silêncio feito de improváveis interregnos. Sinto a brisa de agosto que se despede. A massa e o vinho são recompensa dadivosa para meu outono. E, de quebra, Ana Luíza, posso penetrar no castelo e galgar as pontes e divisar os vales, as pontes, fiz essa canção pra você, onde anda Luíza ?

O barro de que sou feito é infindo na noite encantada da canção. Tudo se completa nos pedaços de lembrança que me reintegram a mim mesmo. Inteiro. Como escreveu o poeta,

“Eu já disse adeus a muitas coisas.

Mas de outras inda custa despedir-me.

O tempo me dissolveu nas horas

E a treva e o silencio já estão cheios de mim.

Nada me falta. Tenho tudo que já tive.”

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *