Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Ecos Brasilienses – Eli S. Martins*

Eli S. Martins*

Personagem do filme V de Vingança.

Personagem do filme V de Vingança.

No atual governo a educação é tão ruim que nem os ministros passam de ano. Filósofo de rua.
PRECONCEITO
Relutei por escrever estas perdidas notas porque é o exemplar 24? Será que estou sendo tomado pelos preconceitos dominantes na Câmara dos Deputados, reflexo de sua disseminação na sociedade brasileira? Será? Escutando estas minhas reflexões íntimas e atormentadas, minha faxineira exclamou: “Valha-me Deus. Se o Senhor está assim, é sinal de que o mundo não tem mais jeito”. Saudades em que Alagoas era governado por um homossexual assumido e Maceió por uma lésbica também assumida. Isso nos rincões mais atrasados do país, com licença de meus amigos alagoanos, inclusive o saudoso e querido Denis Bernardes. País respeitador da diversidade era aquele!

A TERCEIRA DERROTA
A inexistência de quórum no Congresso para votar os vetos da Presidente, pela terceira vez, mostra mais que uma derrota da base, a derrota da articulação política. Meu colega de quarto do Hospital, Elizardo, declarou peremptório: “Deus me livre, os erros são infantis. Nem menino de colégio faria pior”.

DERROTAS E MAIS DERROTAS
Em um só dia o governo conseguiu ter três derrotas. No TSE, no Congresso e no TCU. E logo depois da reforma ministerial. No caso do Congresso, os deputados estavam lá, mas não foram ao plenário. Boicote puro. Meu neto está zangado: “Quando é que alguém vai dizer a Presidente: é a política, estúpida”.

CRISES E MAIS CRISES
O governo convivia com uma crise politica, outra econômica e outra ética. Agora, veio se somar mais uma. Segundo Josias, a crise de compostura. O governo está de cócoras. Por duas vezes, na terça e na quarta, não teve quórum para votar os vetos. Segundo meu vizinho confeiteiro: “Tem mais uma crise, a da inteligência. O próprio governo deveria se articular com o Renan para não convocar agora a reunião do Congresso, para dar tempo de se articular. Parece que ninguém pensa naquele Planalto”. A indignação é geral, desde o culto Elizardo, passando pelo meu vizinho confeiteiro, até o meu neto adolescente.

ESTOCAR O VENTO
Segundo meu colega de Hospital Dilma “se ultrapassou”, declarando recentemente que quando “descobrirmos uma tecnologia de estocar o vento vamos todos nos beneficiar”. Dona Isabella não aguentou: “E quando descobrirmos a tecnologia para vender as besteiras que ela diz vamos ficar milionários”.

SACADA
“Dilma não perdeu o emprego mas perdeu a dignidade”. Declaração do Senador Cristovam Buarque, PDT/DF, logo após o anúncio da reforma ministerial em que a Presidente cedeu 7 ministérios ao PMDB e retirou os ministros do Palácio, que o Lula sugeriu.

PAIS DESENVOLVIDO
Um dia desses em uma mesa de bar escutei o sociólogo da politica José Arlindo Soares – cearense notório – afirmar, em tom de brincadeira, que o Ceará para virar um território desenvolvido bastava nevar. Com a reforma ministerial pensei com os meus botões: para o Brasil se tornar uma Inglaterra basta crescer. Rainha e primeiro ministro (oculto) já temos.

APRENDIZAGEM
No ano passado Dilma dizia que faria o diabo para ganhar as eleições. Agora ela volta a fazer o diabo para não perder o poder. O diabo é quem sempre ganha. E nós, oh!

DESCOBERTA
Depois da nomeação do pau mandado para a Ciência e Tecnologia e mudar pela terceira vez o ministro da educação em plena era da Pátria Educadora, meu médico diagnosticou a tia: “Meu caro Martins, a doença da Dilma chama-se mediocridade”, disse-me, com a cara dos médicos que sabem o que falam.

EMPREGO
Os brasileiros já perderam quase um milhão de empregos, mas a responsável por este desmantelo conserva o seu. Injustiça!

A OPOSIÇÃO
O problema da oposição é que Aécio só funciona de terça a quinta, quando o Congresso está trabalhando.

AUSÊNCIA DE CUNHA E RENAN
O boato em Brasília é que os dois presidentes do Congresso faltaram ao anúncio do arranjo ministerial, perdoe, da reforma ministerial, na sexta feira, 2, porque estavam na despedida de solteiro do Romero Jucá. A turma sentiu falta das melhores e mais caras meninas de programa na sexta a noite. Meu vizinho confeiteiro não perdoou: ‘Esta turma não brinca em serviço”. Fiquei matutando comigo: Servicinho bom, este.

NOVO PMDB, NOVO PDT
Antigamente dizia-se que o partido de Ulysses era um partido ônibus, sempre cabia mais um. Hoje penso que é um agrupamento de cleptocratas. Com subsidiárias, como o PR, PRB, PSD, Pros, PTB, PP e agora o PDT do Brizola. Este deve estar estrebuchando na cova, depois que André, deputado pelo Ceará, líder da bancada do PDT, é agora ministro das Comunicações. É o mesmo que criticava Dilma em dois discursos sobre um e levou a bancada a sair da base governista há pouco mais de um mês. Eita Congresso bom, esse.

DISTRIBUIÇÃO
Distribuição dos menos de 10% que apoiam, ainda, a Dilma: néscios, mal informados, mal intencionados e beneficiados.

SAÚDE
Quando dona Ismeralda, minha vizinha enfermeira, soube quem era o novo ministro da saúde, não tergiversou. “Já estou doente só de pensar que o homem é financiado pelos planos de saúde e empresas de medicamentos”.

E AGORA JOSÉ?
O tempo fechou, a porta sumiu….Quando soube que foi descoberta uma conta do Cunha na Suíça meu neto comentou: “Qual o grau de venalidade (isso existe? Pergunto.) da Câmara dos Deputados? O homem declarou, sem ser chamado, que não tinha conta no exterior. E se aparecer agora um extrato? PhD que é na traquinagem vai fazer como Maluf, afirmar que se trata de outro Cunha, que os suíços são uns mentirosos. Até os suíços. E os deputados? Quem tem aquilo roxo? Meia dúzia? Vovô, quando a gente vai morar na Nova Zelândia? Já estou aprendendo inglês”

OS JURISTAS
Aparentemente a maioria dos juristas, e a Constituição, afirma que o motivo para afastar um(a) Presidente só pode ser aquele cometido no exercício do mandato. E ilegalidades e uso intensivo e irresponsável da máquina para se reeleger não é motivo? Para os juristas, não. Com meus botões- que também pensam – quando a Constituição foi proclamada não existia a reeleição. Portanto, um presidente cometer ilegalidade para ser reeleito não poderia constar na Carta Magna. Mas, não parece lógico que, cometer ilegalidades com as finanças públicas para ganhar eleições é um crime, que deveria ser punido com o afastamento de quem foi eleito(a) nestas circunstâncias? Ou meus botões estão errados?

ELOGIO A PANSERA
Os jornais noticiam que o novo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, deputado do PMDB pelo Rio e ligado a Cunha, não tem nenhum projeto de Lei. Não sei se é uma crítica ou um elogio. Os parlamentares neste país não param de fazer leis, a maioria tolas. O pior, porém, é que cria uma enorme insegurança jurídica. Ninguém sabe como uma regra, qualquer regra, será amanhã. O Senado este ano produziu mais de 600 projetos de lei (PL) e similares. Só neste ano. E eles são 81, média de 7,4 por senador. Imaginem o estrago que não fazem 513 deputados. E se somados, 594, multiplicados por 7, serão 4.158 projetos de lei e similares, e em quatro anos serão 16.632 de PLs e similares. O que nos salva é que 80 a 90% são inócuos, sem relevância ou morrem nas comissões. Na administração isso se chama: trabalho inútil. Com estes dados, Dona Isabella, minha faxineira concluiu: “Parlamentar que não elabora projeto de lei presta um grande serviço à Nação”.

DINHEIRO FÁCIL
Admiro as pessoas que acham dinheiro fácil. Trabalho que nem um cão e nunca tenho o suficiente, e olhe que tenho vida modesta, jamais tomei os vinhos de mais de mil reais do Dirceu. Nem em aniversário de 70 anos. Já para a diretora do Sindicato dos Petroleiros, e dirigente da CUT, dinheiro é como mato, dá em todo lugar. Defendeu no sábado, 3, que a Petrobrás mantenha o investimento no pré sal. A dívida da empresa sobe a bilhões. Mas isso não tem qualquer relevância. Disse minha vizinha costureira: “Ora, nós não somos a Grécia, é só rodar a máquina do Banco Central e aparece dinheiro de montão! ” Como faz falta uma disciplina de finanças públicas no ensino fundamental!

PRIMEIROS RESULTADOS DA REFORMA MINISTERIAL
O líder do Blocão – PMDB, PP, PSN, PEN, PTB e PHS – que tinha 149 deputados era, até ontem, Leonardo Picciani, do PMDB carioca, de 35 anos, filho do presidente do PMDB. Líder também da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, foi destituído. Os partidos do blocão desligaram-se do PMDB contrariados com a rumo da reforma ministerial, cujo principal interlocutor de Dilma foi justamente o Picciani. Tornou-se apenas o líder do PMDB que tem 66 deputados. Mas, 22 assinaram documento contra a condução da reforma. Assim, o grande timoneiro tornou-se líder de apenas 44 deputados. Se tanto. Eis os primeiros resultados da famosa reforma ministerial. Será que vinga?

PORTUGAL, NOSSO DESTINO?
Depois de 4 anos de iniciado o ajuste econômico em Portugal, não apenas o povo continua insatisfeito (56% julga que o pais está pior ou muito pior), como migraram 4% da população. Se for o nosso exemplo, como quer Temer, teremos uma emigração de mais de 8 milhões de brasileiro em 2019. E a dívida pública portuguesa subiu de 111% para 129%. No entanto, votaram nos responsáveis pelo ajuste. Sem falta de alternativa, nada animadora esta referência. Ainda seremos um “grande Portugal”?

DILEMA NACIONAL
Essa sacada de Vinicius Mota é boa: “ De 2009 a 2014, o Brasil experimentou o maior retrocesso, em tempos de democracia de massas, na estrada que conduz ao desenvolvimento. Regras e condições de competir foram postas de pernas para o ar nos setores do petróleo, da eletricidade, dos automóveis, dos portos, das ferrovias, das estradas, dos aeroportos, do etanol e dos frigoríficos, entre tantos”. É a vitória do procedimento extrativista que poderá nos levar ao lugar da Venezuela, ao invés do procedimento inclusivo e democrático que nos aproximaria dos países da Europa Ocidental. As Nações, como as pessoas, também fracassam. O progresso não é inexorável. Qual caminho escolheremos?

DERROTA DO BRASIL PARA O CHILE
Não sei se torço para o Brasil ganhar, afinal é bom participar da Copa do Mundo, ou para o Brasil ser eliminado pela primeira vez para ver se essa cartolagem imunda cai. Meu neto nem titubeou: “Esta turma não caiu com o 7 x 1, em casa. Não cai com mais nada, salvo com uma operação tipo a Lava jato”. Bem precisava. Adivinhem quem é o substituo do atual presidente da CBF, que qualquer hora dessa cai na rede das investigações: o filho bem-amado de Sarney. O homem de negócios da família, aquele que não entrou para a política, agindo sempre na surdina, Fernando Sarney.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *