Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Ecos Brasilienses – Eli S. Martins

Eli S. Martins*

Personagem do filme V de Vingança.

Personagem do filme V de Vingança.

INDECISÃO
Temer está igual a cachorro em dia de mudança: não sabe se entra no caminhão ou se volta para casa. Não sabe se apoia o impeachment ou fica contra.

CORRUPÇÃO? ONDE?
Dilma declarou que não há corrupção em seu governo. Dona Isabella, minha faxineira, comentou. “Deve ser porque não há governo, afinal, isso é um desgoverno”.

LUPI X GRABRIELLI
Há uma divergência entre o presidente do PDT e o ex-presidente da Petrobrás. O primeiro afirma que o erro do PT foi roubar muito. Supõe-se que, se roubasse menos não seria pego, como ele. E Grabrielli diz que o roubo foi pequeno para o porte da Petrobrás. E nós, os honestos, diz meu vizinho confeiteiro, nadando nesse mar de lama como idiotas.

GOVERNO BOM
Governo bom é assim. Passa a semana resolvendo os problemas que criou no final de semana. Esta semana, que parecia calma, a Dona Dilma decidiu, no final da semana, lá da Suécia, atacar o Cunha. Novo pedido de impeachment chega na Câmara, agora referindo-se as pedaladas em 2015. Parece que não vão tomar o mesmo destino dos outros, ser indeferido. Será? OU o Cunha vai fazer suspense? O destino do Cunha é inglório. Se deferir o impeachment, periga cair no dia seguinte por ação dos governistas. Se indeferir pode levantar contra si a ira dos oposicionistas. E tome adrenalina.

CORRIDA EM BRASÍLIA
Não é de carro, é pelo posto de Cunha. Os candidatos já estão postos, mas os melhores não têm chance: Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Miro Teixeira (REDE). O futuro do País depende mais desse novo presidente da Câmara dos Deputados do que qualquer outro político.

CORTE NA BOLSA FAMILIA
Na campanha Dilma disse que Aécio e Marina iriam acabar com a Bolsa Família. Pois, pois, como diz o português, quem está propondo cortes severos na Bolsa é um deputado do PP, Ricardo Barros, do Paraná, ou seja, da base do governo. Quem diria?

CAPACHO
É o apelido que o deputado petista, Luiz Sergio, do PT do Rio, ganhou segundo deputados de todas as vertentes. Seu relatório sobre o CPI da Petrobrás é uma afronta à opinião pública e à inteligência. Sugere a investigação sobre os empresários sem citar nomes. Não há uma só palavra sobre os políticos citados. “Mas também, ele é indiciado na Lava jato”, disse meu neto.

APOSTA
A aposta em Brasília é: quando Janot vai apontar as baterias para o Renan? Na padaria o pessoal foi unânime. Depois que o Cunha cair. Será?

REPETIR SEMPRE, SEMPRE, QUE UM DIA O POVO ACREDITA
O Jornalista Jânio de Freitas voltou a bater na tecla, no domingo, 18, de que o governo não buscou acordo com o Cunha, apesar de todo o mundo em Brasília estar dizendo o contrário, inclusive deputados petistas que estiveram com Lula na quinta feira, 15. Aliás, 28 deputados petistas não assinaram a petição ao conselho de ética contra o Cunha. Na opinião de Jânio o motivo da conversa de Wagner com Cunha é simples: foi pedir trégua tendo em vista a declaração do comandante do exército. Simplório assim. Foi pedir, sem levar nada em troca. Ismeralda, minha vizinha enfermeira, concluiu: “Não sabia que jornalista era dado a estórias de contos de fada”

O GRANDE CONFRONTO
O grande teste de Dilma não é a votação dos vetos, nem a do impeachment, que está engasgado nos acordões do Wagner com Cunha para salvar sua cassação na comissão de ética, mas a votação da nova CPMF, que poderá ocorrer na semana próxima. Ou na outra. De sua aprovação depende, em grande parte, a salvação do governo. Caso contrário vai perder o grau de bom pagador em mais duas agências.

CONSELHO DO LULA
Dito aos deputados petistas em reunião na quinta feira passada, 15: “Não hostilizem Cunha, e sim Levy”. Tirem da sala as criancinhas, a ética na política chegou ao volume morto.
PERIGO À VISTA
O ano ameaça fechar com uma recessão superior a 3%, uma inflação de dois dígitos, um desemprego de mais de um milhão de pessoas, um orçamento deficitário, uma dívida astronômica, sem o ministro Levy e uma crise política que não se desamarra. Persistência da crise ou início da decadência?

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA
Desde o início, quando foi criado por Lula em 2003, era uma incógnita: para quê um ministério para a pesca? Ninguém sabia. Descoberta, finalmente, a razão: recolher propinas das empresas para encobrir pescas ilegais. Simples assim.

SAUDADES DO FEBEAPA
Declaração do presidente do PDT, Carlos Lupi. “Tivemos uma eleição muito apertada onde a Dilma venceu com uma margem muito estreita. Isso tudo gerou também uma crise moral, por conta de muitas denúncias, com muitas apurações, muitas prisões”. Dona Isabella, minha faxineira filosofou: “Ora, o homem parece reconhecer o óbvio – mas que os adeptos esquecem -, a eleição de Dilma foi apertada. Ora não, desde quando eleição apertada cria crise moral? ”

DECLARAÇÃO INFELIZ
Declarou o Presidente do PDT ao GP1, grande portal do Piauí: “ Todos os maiores empreiteiros do Brasil estão na cadeia e isso provoca consequências ruins”. Comentou meu vizinho confeiteiro: “O sandeu está por acaso sugerindo soltá-los? ”

MINISTRO ORNAMENTAL
Ministro ornamental, essa é a ideia que se tem do Ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Depois de nove meses no governo, não apita mais nada e o Brasil só perde prestígio no exterior. Duas agências internacionais já rebaixaram o Brasil e dentre em breve uma terceira fará o mesmo. Espera-se um déficit no mínimo de 50 bilhões este ano nas contas da União. E este déficit pode ser maior, porque o governo resolveu saldar a dívida com os bancos públicos para não ser acusado de estar persistindo nas pedaladas. Parece que o governo não se preocupa mais com o déficit. Segundo meu vizinho confeiteiro, a razão é simples: “O governo só pensa naquilo”. Todas as energias governamentais estão concentradas em impedir o impeachment da tia.

MODO PETISTA DE GOVERNAR
Descoberto, finalmente, o modo petista de governar. Foi revelado pelo vice-presidente da ENGEVIX, uma das empresas envolvida no escândalo da Petrobrás. Em delação premiada ele deu o nome: Lava Jato. Em palavras simples: uso de empresa estatal para financiar-se e aos aliados.

JOGO TRIPLO
Segundo Meireles, na época de fama da loteria esportiva, em caso de dúvida, jogava-se o triplo: vitória, derrota e empate. PMDB e PSDB são irmãos gêmeos, pois um saiu do outro. E guardaram características comuns. Entre elas a de jogar triplo: a favor do impeachment, contra o impeachment, e neutro, aproveitando para ganhar cargos no governo, no caso do PMDB. No caso do PSDB, é levemente diferente, mas outra vez, jogo triplo: pela cassação da chapa via TSE, Aécio Neves; pelo impeachment, com Temer no poder, Serra; e contra tudo isso, querendo Dilma sangrando, Alckmin. E cada qual com seu argumento: Aécio quer novas eleições com a cassação de Dilma e Temer e, neste caso, com todas as chances de ganhar; Serra quer Temer no poder, pois será imediatamente ministro e forte candidato do PMDB em 2018; Alckmin quer que a Dilma persista, com governo reprovado, o que não dará chances de Lula ressuscitar, e permitirá a ele se colocar como candidato em 2018 (do PSDB ou do PSB), com a força do governo de São Paulo. O que é melhor para o País é secundário.

DECISÕES EM BOA HORA
As decisões do TSE derrubando o rito criado por Cunha para tramitar o processo de impeachment deu um alento ao governo. Minha vizinha costureira, porém, acha que a Presidente precisa ter cuidado: “Essa hora para o governo é igual aquela de quem acabou de tirar a carteira de motorista e já se acha um às no volante. Logo, logo tem uma batida”.

APROVADA A LEI DOS CASSINOS
Mesmo antes de ser aprovada a lei que permite cassinos no Brasil os políticos transformaram Brasília em um grande cassino; as apostas estão abertas: quem dá mais para ganhar o apoio do quase finado Cunha? Ismeralda, minha vizinha enfermeira, disse-me que falta apenas aprovar, agora, a Lei do Cassete.

OPOSIÇÃO SEM MORAL
A Presidente declarou em alto e bom som que a oposição não tem moral para pedir seu impeachment. O povo da padaria da esquina de minha casa logo protestou: “E qual a moral que ela tem depois de tantas mentiras? ” Moral é o que menos existe no mundo político em Brasília hoje…. e ontem.

DEPRESSÃO E DESONESTIDA: O QUE ISSO TEM A VER COM A CRISE?
“Se você está deprimido, você tem maior tendência a ser desonesto. Se está feliz, se sentindo bem, sua tendência a ser desonesto é menor. A crise faz as coisas ficarem ainda piores.” André Lara Resende na Universidade Columbia, Estados Unidos.

PSDB NA ENCRUZILHADA
A oposição é pior do que sanfona em forró, vai para um lado e vai para outro. Ora apoia Cunha, ora é contra. Ora quer o impeachment logo, ora quer esperar. Do que jeito que vai não sai do lugar, diz meu vizinho confeiteiro, fica onde está, na oposição.

PESSIMISMO
Alguns senadores e deputados estão completamente pessimistas em relação à saída da crise. O Senador Cristovam Buarque chegou a afirmar que estamos saindo da crise e entrando na decadência. Seu colega, senador Lasier Martins, do mesmo partido, não deixou por menos: “Cristovam acabou de chegar da decadente Paris e da destroçada Síria. Só pode estar pessimista”. Será?

A AUTORIDADE FISCAL
A proposta do senador Renan Calheiros de criar uma autoridade fiscal para avaliar a qualidade do gasto público da União, cujo relator era o senador José Serra, perdeu. O Renan nem estava na ocasião da votação. A pergunta nos corredores do senado é: qual o acordo que está por trás

INCÓGNITA
Logo em seguida veio outra incógnita. Renan deu 45 dias para o governo responder o processo das pedaladas, principal motivo do parecer do TCU sugerindo a rejeição das contas do governo. A costureira minha vizinha, com estes comentários, perguntou porque não há mais denúncias contra o Renan no Lava Jato. Por que será?

*Observador anônimo da política nacional

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *