Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Ecos Brasilienses – Eli S. Martins

Eli S. Martins*

Personagem do filme V de Vingança.

Personagem do filme V de Vingança.

FRASE SUBLIME

“Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta”. Alguém mais, além da tia Dilma (28/07/2015), poderia dizer uma frase desta? Quem?

APOSTA

A aposta hoje em Brasília é quem cai primeiro: Dilma ou Cunha. Minha costureira decidiu apostar nos dois.

AGOSTO TÁ AÍ

O governo decidiu se organizar para impedir que as manifestações de protesto do dia 16 criem um ambiente favorável ao encaminhamento do pedido de impeachment. Uma campanha publicitária do governo federal já está indo ao ar e diversas manifestações estão sendo programadas. Em São Paulo, dia 6, dia do programa do PT na TV, e em Brasília, dia 11, com a marcha das margaridas.  O mês promete. Segura o coração gente!

NOVA AMEAÇA

O novo fantasma que assusta o mercado e os observadores da conjuntura nacional tem um nome: estagflação. Este nome feio tem uma tradução simples, é o filho da estagnação econômica com a inflação elevada. Bicho brabo e tinhoso, perverso que nem o satanás, diria Ariano Suassuna. E o pior é que ele já está na praça, a cada mês aumenta a inflação e cai a previsão do PIB, agora é -2,5%.

AJUSTE DO AJUSTE

O nosso jornalista pernambucano, Ricardo Noblat, sacou na hora, trocamos o ajuste econômico pelo ajuste do ajuste com o anúncio do governo na quarta feira (22) de reduzir o ajuste econômico para quase nada. Ou seja, o governo desistiu de economizar. Deve ser porque o País não tem crise. Consequências imediatas: elevou o dólar, fez cair a bolsa, aumentou a desconfiança na economia e o risco de sermos descriminados no mercado internacional. Cresceu também o risco de manutenção dos juros altos e inflação elevada. Em resumo: piorou tudo. Venceu no governo a turma do passado, a mesma que nos levou à situação atual. Ganhou a dupla Barbosa-Mercadante e perdeu o ministro Levy. Cada vez menor no governo, em um governo cada vez menor. Barbosa, com cara de Mantega, foi à TV explicar o inexplicável: o governo decidiu jogar contra ele mesmo. Isso tem um nome: sadomasoquismo.

SAÍDA ONDE ESTÁ A SAÍDA?

Convencidos que não dá para continuar a presente situação, e de que estão crescendo os riscos de perdermos, por de vez, o trem da história, não se fala outra coisa em Brasília. Onde está a saída? Eduardo Jorge vocalizou uma destas versões de saída atualmente em debate, e que já foi, em linhas mais gerais, anunciada em março pelo senador Cristovam Buarque. Ela consiste em sete medidas: 1. Garantia de continuidade do processo Lava Jato; 2. Dilma se desliga do PT e fica sem partido; 3. Chama um governo de união nacional; 4. Com os principais partidos constrói um programa mínimo de governo; 5. Reduz seu ministério para 15, com um ministro coordenador; 6. Os partidos indicariam técnicos reconhecidos para os ministérios; 7. Dilma compromete-se a não apoiar qualquer candidato em 2018. Embora o número 7 não seja de bom agouro, a ideia não é idiota. A “dona arrogância” seria capaz de considerar esta saída, colocando no saco seu autoritarismo e grosserias? Será? Penso longo e, por isso, duvido. Mas, sou ingênuo e, por isso, desejo.

OPORTUNISMO

O PT foi um partido arrogante desde o seu nascimento. Não votou em Tancredo, não aprovou a Constituição, não participou do governo de coalização de Itamar. Com a eleição de Fernando Henrique Cardoso, desde os primórdios do governo, saiu as ruas pedindo “Fora FHC”. Quando eleito Lula, Fernando Henrique foi seu avalista junto às finanças internacionais e o recebeu da melhor forma possível. A resposta do PT foi criar o mito da “herança maldita” do governo tucano. Estigmatizou os tucanos como de direita, neoliberais e vendelhões da pátria. Disse o diabo. Agora, pedem diálogo com FHC e circulam na mídia filme comparando os que lhes são contrários a nazistas. Roberto, o jornalista meu vizinho, não deixou por menos: “Satanás também se faz de vítima, quando lhe interessa”.

A BANDA DO PASSADO

O passado é atroz. Sempre ameaça voltar. Não se conforma que já passou. O Presidente do PT reuniu-se com dirigentes petistas para fazer uma avaliação da situação e chegaram a uma brilhante conclusão, que aqui resumo: 1. A política econômica está acabando com o governo, com ela Dilma não se recupera nem nos infernos; 2. É preciso parar de cortar e ampliar o crédito e o consumo; 3. Dessa forma, o crescimento seria retomado. Ao invés de buscar o bom humor do mercado dever-se-ia buscar o apoio das bases sociais, ampliando os programas sociais. Responsáveis por este raciocínio meritório, entre outros: os ex-ministros Gilberto Carvalho, Miriam Belchior e os atuais ministros Arthur Chioro (Saúde), Carlos Gabas (Previdência Social) e Pepe Vargas (Direitos Humanos). Escutando meus comentários na padaria da esquina, Ismeralda, minha vizinha enfermeira, não aguentou: “Gente inteligente essa!.” O voluntarismo continua imperando nas hostes governamentais.

DESCONFIANÇA

Comentei com o meu vizinho confeiteiro a notícia de que o índice de confiança do consumidor, medido pela FGV, teria caído mais uma vez em julho, agora encontra-se em 82,0 pontos contra 83,9 de junho. Na comparação internacional o quadro não é melhor. Na pesquisa realizado pelo Pew Research Center, em 40 países, sobre o grau de satisfação com a economia, apenas três são piores do que o Brasil. Até os venezuelanos estão mais otimistas do que nós. Na Venezuela 83% estão pessimistas, no Brasil 87%. Ele foi objetivo: “Ih!. No meu caso é pior. Não caiu a confiança nem a satisfação, caiu mesmo foi o consumo”.

MARMITEX

Esta do Jânio de Freitas (FSP, 28/07) não dá para guardar. “Madame Isabela Odebrecht indignou-se, como registrado em celular investigado, com o convite do marido a uma sindicalista: “Se sujar minha toalha de linho ou pedir Marmitex…vou pirar” (transcrito por Mônica Bergamo). A transferência de presos da Lava Jato, retirados de celas na Polícia Federal para um presídio, é muito vantajosa. Madame Isabela Odebrecht agora pode levar Marmitex para o marido, que emagreceu com a má alimentação na cadeia da PF. Tomara que não esqueça de levar uma das suas toalhas de linho”. Imagine que seu marido é o homem de Lula no covil das empreiteiras. Fico pensando o que fazia a madame quando o sindicalista vinha jantar em sua casa.

OUTRA ETNIA

Paulo Henrique Amorim em seu programa Conversa Fiada faz ironia com a convenção do PSDB realizada recentemente. Segundo o jornalista, só existiam brancos. Em um certo momento fala de uma foto no jornal O Globo, e diz: “Na foto, meio fechada, não se vê muita coisa. Há um nordestino, o resto é branco”. Eu já vi todo o tipo de descriminação contra nordestino pelos sulistas, mas esta é original. Nordestinos brancos, protestais,  vocês não são mais nordestinos!

DIREITOS AUTORAIS

Um amigo me telefonou apressado. “Escute a CBN. Você me expôs os cenários no domingo (19), escreveu na segunda (20) e o Merval está falando. Igualzinho”. Era quarta, 22. Não dá para pedi direitos autorais, a revista Será? só saiu na sexta, 24. Dona Isabela, minha faxineira, logo concluiu: “Tem hacker no seu computador”.

* Observador anônimo da política nacional

5 Comments

  1. Retiro o que eu disse no post anterior: vc nao é parecido com o Kennedy Alecanr. Vc está mais pra Merval Pereira mesmo, alimentando o impeachment… que pena…

  2. Realmente, não dá para ficar sem sua presença na Será?

  3. Está falando comigo? Quem disse que eu vou me retirar? Eu vou continuar debatendo e expondo minha opinião, sempre com respeito e educação. Não é pra isso que serve a revista?

  4. Cara Bianca

    Antes que Nealdo responda quero esclarecer seu equívoco. Nealdo está se referindo ao Eli Martins, nosso observador anônimo da política em Brasília.
    Publicamos sua intervenção por que ela define – embora com o tom forte da indignação – o principal propósito e missão da Revista Será?
    Continue, “com educação e respeito” participando das nossas discussões.

  5. ok, obrigada pelo esclarecimento.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *