Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Lembrando o primeiro de abril

Marcelo Mário de Melo >

Repressão militar contra manisfetantes em defesa da democracia - 1964

Repressão militar contra manisfetantes em defesa da democracia – 1964

 No dia anterior já corriam notícias sobre deslocamentos de tropas em São Paulo e pronunciamentos golpistas civis e militares. À noite, no Colégio Estadual de Pernambuco- CEP, hoje com o antigo nome de Ginásio pernambucano, o professor Adauto Pontes fez um discurso inflamado contra os golpistas, dizendo que seriam esmagados. Quando já tinha saído da sala, voltou e anunciou da porta: e vai ser pacificamente!

No outro o Recife era uma correria só. As tropas do Exército num grande cerco, envolvendo toda a praça da Republica e o Palácio do Governo Notícias de invasões de sindicatos e prisões. As lojas fechando e o povo andando apressado para pegar ônibus. Sugiram rumores no boca a boca militante de que haveria uma resistência partindo da área portuária, com distribuição de armas. Dezenas de pessoas se concentraram na Praça do Arsenal da Marinha, à espera de alguma coisa. As horas escorrendo. Em certa altura fomos completamente cercados a distância por fuzileiros navais, que simplesmente se postaram e nos deixaram ir saindo.

Correu a notícia de que havia uma assembleia geral na velha Escola de Engenharia, na Rua do Hospício. De lá saímos em passeata, em direção ao Palácio das Princesas, para defender o governo de Miguel Arraes, cumprindo em parte o roteiro atual do Galo da Madrugada. Quando estávamos na altura da Pracinha do Diário, no cruzamento com a Av. Dantas Barreto, em marcha passo de ganso, avançou contra nós um pelotão vindo das imediações do Palácio da Justiça, que começou a disparar, inicialmente, para cima. Depois foi baixando o ângulo até o nível dos manifestantes.

Alguns companheiros gritaram: “é festim”! Mas eu vi os pedaços de reboco caindo do alto de um edifício, sob o efeito das balas, e dei o grito de alarme: “não é festim, não! É bala!” Entre correrias e tiros, avistei o companheiro Oswaldo Coelho, que me havia recrutado para a base do CEP e agora estudava Direito, carregando um corpo masculino com um grande buraco se estendendo pelo pescoço, o queixo arrancado a tiros. Somente depois, voltando para casa, soube que o ferido era Jonas.

Junto a Jonas também tombou o jovem Ivan Aguiar, comunista de nascença, filho de Severino Aguiar, que morreu na década de 90 com mais de noventa anos, ostentando o orgulho de ser o mais antigo comunista vivo do Brasil. Ivan havia sido aprovado no vestibular para engenharia e aguardava o momento de começar a fazer o curso. Já ferido, ele ainda conseguiu disparar um tiro de um revólver 38 que Antônio Florêncio, comunista de Palmares, recolheu e guardava como relíquia. A Ivan, um brinde pela iniciativa desse – lamentavelmente único – tiro dado em Pernambuco em defesa da democracia e contra os golpistas de 1964. Diz-se que, ao lado de Ivan e Jonas, também tombaram um homem desconhecido e uma funcionária da loja de produtos masculinos – Remilet – colhida por um tiro no seu local de trabalho, na Av. Dantas Barreto.

Um dia, em 1964, acompanhei numa homenagem a Jonas o poeta Albérgio Maia de Farias, também companheiro do PCB e das lutas estudantis. Na Galeria de Arte, da qual Jonas era frequentador, na margem do Rio Capibaribe, em frente aos Correios, ele deixou pregado no mural um poema que começava assim: “Na Galeria de Arte/há um banco de saudade/e há gestos de futuro/quebrando a serenidade”.

Jonas e Ivan Aguiar tiveram suas vidas interrompidas na juventude. Passaram à condição de referências simbólicas dos jovens que lutaram pela democracia e contra a implantação da ditadura de 1964. Transformaram-se em bandeiras de idealismo e resistência, tremulando nos nossos corações e apontando para a coerência dos nossos passos.

Com o mote do roteiro do Galo da Madrugada, o poeta Albérgio Maia de Farias, que integrava naqueles tempos os quadros dos comunistas secundaristas do PCB, escreveu os versos:

POEMA II

Albérgio Maia de Farias

Por onde o Galo, hoje, passa

passaram galos de briga

cocorocando outros frevos

nas Sertãs da avenida

eram cantigas do peito

que queriam o bem da vida

um amor quase perfeito

que suava o corpo todo

de sonho, alegria e medo

 

Era porrada na cara

do Trianon à Pracinha

eram fuzis eram balas

não conseguiram ser minhas

nem conseguiram calar

o frevo de nossas falas.

 

Hoje, quando o Galo passa

sou tentado a compreender

que o sonho adolescente

continuou a ferver

nos clarins de outra memória

no frevo canção da História,

embora as graves lembranças

impossíveis de esquecer.

 

Este texto é parte da Série 1964 – Memórias de Abril, um resgate coletivo e fragmentado da história.

Saiba mais

One Comment

  1. Como eram puros e ingênuos meus companheiros mais jovens!
    Acreditar, naquelas circunstâncias, que os tiros eram de festim!
    Lembro entrevista de José Wilker, participante da passeata, militante e companheiro naquela época, alguns anos atrás, em programa da TV Globo: “Eu só fui me dar conta de que as balas matavam quando vi um companheiro morto do meu lado…”
    Como se sentem hoje aqueles que acusavam de “vacilação” os companheiros que tentavam se proteger das balas?
    Temos mais um depoimento valioso e enriquecedor.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *