Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Meu sublime torrão – Clemente Rosas

Clemente Rosas

Para Fernando Dourado, que nos ensinou como é ser pernambucano

Ariano Suassuna, paraibano de Taperoá.

“Meu filho, nunca pergunte a alguém, que você acaba de conhecer, onde ele nasceu.  Para não causar a ele, eventualmente, o constrangimento de ter de dizer que não nasceu na Paraíba!”

Esta recomendação de uma senhora mãe de um político paraibano dá bem a medida do alto valor que meus conterrâneos atribuem à sua terra.  O epíteto de bairristas, injustamente depreciativo, não cabe apenas aos pernambucanos, como aqui se pode ver.

O poeta, romancista, ator, pintor e teatrólogo W. J. Solha, paulista de Sorocaba que se assume paraibano há mais de meio século, deu-se ao trabalho de elaborar uma lista de figuras paraibanas de destaque nacional: na política, na literatura, nas artes, e tudo o mais.  E o resultado é surpreendente.  Não conseguiria aqui reproduzi-la, mas ele, como leitor e eventual comentador da Revista Será?, se agora me lê, bem que poderia nos passar a valiosa informação, o que fica desde já requerido.

A proximidade com Pernambuco, no entanto, de certa forma nos prejudica.  Meus conterrâneos vão estudar lá, casam-se, e vão ficando.  E acabam ocupando posições importantes nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário desse Estado.  E aí vem a conversa de “pernambucanos de coração”, como já ouvi em relação ao nosso Ariano Suassuna.  Nada disso!  O coração paraibano não carece de transplantes!

Creio que o protagonismo da “pequenina e heroica Parahyba” começou na Revolução de 30, embora, séculos antes, minha terra já tenha visto nascer André Vidal de Negreiros, grande figura da guerra contra os holandeses.  Em 1930, ao lado de gigantes como Minas e Rio Grande do Sul, nos insurgimos contra a República Velha, aristocrática e carcomida, contribuindo para acertar o passo do país na marcha mundial pela modernidade.

Esse movimento, no entanto, deixou na sociedade paraibana profunda fissura, que ainda permanece, quase um século depois.  Certamente porque houve sangue, e tragédias pessoais difíceis de esquecer.  Além dos mortos na tomada do quartel do 22º BC (hoje 15º RI) – o General Lavanère Wanderley, três oficiais pernambucanos e alguns praças injustamente esquecidos – por um destacamento de civis comandados pelo tenente Agildo Barata, tombaram também figuras notórias e dignas como João Pessoa, João Dantas e João Suassuna, sem deslembrar o suicídio de Anayde Beiriz.  É por isso que o autor do “Auto da Compadecida” nunca conseguia referir-se à capital do Estado pelo seu nome atual.  Seu pai e seu primo estavam entre as vítimas.  E o poeta Otávio Sitônio, neto de José Pereira, o proclamador do “Território Livre de Princesa”, ao assumir sua cadeira na Academia Paraibana de Letras, declarou-se combatente temporão daquele município rebelde, de efêmera existência.  E hoje me pergunto: quando, enfim, viraremos essa página de ressentimentos?

A Paraíba não tem um hino, para ser cantado em momentos solenes, como “a terra dos altos coqueiros”.  O único, até bonito, que foi composto, na intensa comoção popular que se seguiu ao assassinato de João Pessoa e resultou na mudança do nome da capital, é de louvor ao falecido, não ao Estado.  E é de tal maneira hagiológico, que fala na esperança de ressurreição do morto, algum dia, pela pátria brasileira…

Mas temos duas canções que valem como hinos.  Uma delas é o baião “Paraíba, Mulher Macho”, imortalizado por Luiz Gonzaga, que fala de seca e evoca, de passagem, o episódio de Princesa.  A outra é o samba “Meu Sublime Torrão”, do paraibano Genival Macedo, autor de várias músicas populares de sucesso.  É esta que diz que a nossa “terra amada” “sorri, num recanto bonito do Brasil”, e pode ser chamada de sua “namorada”.  Digo, portanto, com ele:

Lá, eu nasci, me criei

Fiz canções e amei

Sempre tive inspiração

Lá, no Nordeste imenso

Tem um fulgor intenso

Meu sublime torrão

Como escreveu Fernando Pessoa, o Tejo não é mais bonito que o rio da aldeia dele, simplesmente porque não é o rio da aldeia dele.  Tenho o mesmo sentimento em relação à Paraíba.  E para ela voltei, após mais de cinquenta anos em Pernambuco, com a veleidade de poder dizer, como o Ministro José Américo da Almeida: “aqui, ninguém me perguntará quem sou”.

4 Comments

  1. Prezado Clemente,

    “Meu sublime torrão” é lindo e contido. Suspeito para elogiá-lo, já que me foi dedicado (levei quase 60 anos até que me dedicassem alguma coisa nessa vida), fico feliz que “Pernambuco para principiantes” tenha merecido sua leitura atenta. E, mais do que ela, um texto congenere alusivo ao estado-irmão. Sinto-me muito ligado à Paraíba. Se a infância é a verdadeira pátria de um homem, nunca esquecerei certas férias que passei em Campina Grande. E as tantas vezes que papai nos levou a João Pessoa, cidade de minha afeição. Embalado pelo primeiro, saiu na nova edição o “Pernambuco para experientes” em que descasco mais uma camada da cebola cultural. Na falta de uma sempre adiada psicanálise, esses exercícios me ajudam a pensar, atividade que, de tão fácil, resulta sumamente difícil. Obrigado ao amigo e parabéns por mais esse show de síntese.

    Abraço,

    Fernando

  2. Quando vim pra Paraíba, em 1962, pra trabalhar na agência do Banco do Brasil de Pombal, tive um impacto positivo. Esperava muita miséria e atraso, dei com um pequena cidade, do alto sertão, que valorizava extraordinariamente o livro. Era o paraíso dos vendedores de coleções. Isso possibilitou que o colega José Bezerra Filho resolvesse fundar uma empresa cinematográfica pra filmar,de cara, em 1969, o romance com que acabara de ganhar um prêmio no então estado da Guanabara, todo mundo, da cidade, embarcou nessa aventura, e dali saiu o primeiro longa-metragem de ficção, em 35 mm, paraibano, O Salário da Morte, dirigido por Linduarte Noronha. Em 2007 ganhei o prêmio de incentivo à literatura, da Funarte, com Relato de Prócula ( ed. A Girafa, 2010 ), em que se vê essa efervescência cultural do lugar. Na virada do milênio, vendo o jogador Edmundo insultar um juíz chamando-o de Paraíba, fiz a capa dominical do caderno 2 do jornal O Norte durante 70 semanas, sempre com o retrato feito em acrílica sobre tela, de um conterrâneo ilustre, sempre com o bordão Pense Grande como o paraibano ( por exemplo ) Assis Chateaubriand, que fundou o MASP, os Diários Associados e a primeira estação de TV do país. Pense Grande como o paraibano Wladimir Carvalho, um dos maiores documentaristas brasileiros; como Augusto dos Anjos, como Ariano, como Luiz Carlos Vasconcelos, Marcélia Cartaxo, etc, etc. Aí me deu vontade de criar um cordel sobre o tema e acabei criando dois, um dos quais você leu. Sivuca, certa vez, disse que isto aqui era uma pequena Atenas. Você é um exemplo, sendo daqui, que o confirma.

  3. Amigos leitores, vocês viram? Um pernambucano cidadão do mundo e um artista paraibano por opção, com seus generosos comentários, quase endossam a tese da senhora cujo conselho abre o meu texto… Pena que não seja possível reproduzir aqui as 70 páginas do jornal referido por Solha, com as personalidades paraibanas… Meus agradecimentos pelas contribuições à minha crônica!

  4. Caro Clemente,
    Depois da leitura do seu artigo “Meu sublime torrão”, com o seu toque de historiador e poeta, bem como dos comentários de Fernando Dourado, o “cidadão do mundo”, e de W. J. Solha, o “artista múltiplo”, só me resta expressar o orgulho, agora ainda maior, pelo meu torrão natal e pelos meus conterrâneos (por nascimento, pela infância ou por escolha).

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *