Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

O país caminha para onde? – Elimar Pinheiro do Nascimento

Elimar Pinheiro do Nascimento[1]

Sol após a tempestade.

Quatro fatos marcam a semana de maneira desastrosa para o País, e para a democracia. Ou são fatos que alimentam uma nova educação política do povo brasileiro? Será um processo educativo o que vivemos ou um simples um passo em direção a uma crescente decadência do País?

Vejamos os fatos, da maioria conhecidos.

Primeiro, a PF desencadeou uma operação em torno dos Jogos da XXXI Olimpíada, também conhecidos como Rio 2016, encontrando 480 mil reais na casa do presidente do Comitê Olímpico, Carlos Nuzman. Foram denunciados não apenas a corrupção, com pagamentos ilícitos a diversas empresas, como propinas pagas em 2008 para o Rio vencer a competição para sediar os Jogos Olímpicos. Além da corrupção, o legado dos tais jogos é um monte de imóveis inúteis, com prejuízos que vão as casas do bilhão. Enfim, escroqueria nacional e internacional, enquanto o povo não tem saúde e as balas perdidas percorrem a cidade e o governador do Rio ainda tem a petulância em dizer que a corrupção não é o problema.

Segundo, foram as maletas de dinheiro encontradas em um apartamento em Salvador. O dinheiro contido nas malas somava mais de 51 milhões de reais. Uma soma difícil de imaginar para quem é simples trabalhador. Maletas e caixas pertencentes a Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Dilma, Lula e Temer, que está em prisão domiciliar.

O terceiro foi a fita de Joesley e seu subordinado Ricardo Saud entregue por eles mesmos à PGR, nos quais os personagens, referindo-se ao discutível e execrado acordo de delação premiada, se vangloriam de estarem acima de lei e poderem comprar qualquer pessoa, inclusive do STF. Uma conversa repleta de indícios do envolvimento de um dos mais importantes auxiliares do Procurador Geral, mostra, sobretudo, como são os grandes empresários brasileiros, como eles agem aliados a membros do governo para se apropriarem dos impostos do povo trabalhador.

Finalmente, a semana se completou (será?) com as respostas do ex-ministro e homem de confiança de Dilma e Lula, Antônio Palocci, ao juiz Sergio Moro sobre o envolvimento dos ex-presidentes no grande esquema montado em torno da Petrobrás para financiar suas ações e as eleições dos dirigentes do PT. O ex-ministro dissecou os passos para a montagem do esquema com a Odebrecht. Enfim, com detalhes o homem de confiança de Lula e Dilma entregou os chefes.

Quando se toma conhecimento de tudo isso, em tão pouco tempo, um pensamento me assalta e me desassossega: como se pode sair de uma situação em que, aparentemente, todas as instituições estão contaminadas? Os grandes partidos, sem exceção, estão envolvidos em corrupção; procuradores da República auxiliam bandidos; ministros do judiciário inocentam dirigentes com um caminhão de prova em contrário e o Parlamento nega um processo de investigação contra um presidente que recebe as escondidas um empresário suspeito, escuta que ele está comprando juízes e procuradores, entre outros, e não faz nada. Enquanto isso, o crime organizado cresce e se prepara para controlar a política.

A corrupção envolve a todos políticos, com raras exceções. Contudo, há quem julgue que era melhor não sabermos nada, e que o culpado de tudo isso é o Juiz Sergio Morro e a Polícia Federal com a operação Lava Jato, e por isso ela deve ser extinta. Os movimentos, neste sentido, são cada vez mais claros. O Parlamento se prepara para mudar a lei da delação, votar a lei de responsabilização (inibição) dos juízes e enterrar o projeto de lei de mudança do Foro privilegiado. O STF se prepara para extinguir a prisão de condenados em segunda instância. E o Ministro da Justiça organiza a mudança da direção da Polícia Federal, enquanto corta dinheiro para as investigações. Por sua vez, as redes sociais, alimentadas pelos mesmos que ontem eram contra a corrupção, se enchem de impropérios contra os que querem apurar os fatos e punir os culpados, não importa quem seja.

Será que o Brasil ficará melhor com a impunidade? Com a continuação da corrupção – que alguns intelectuais teimam em dizer que não é problema importante? Será melhor com as regras eleitorais que alimentaram a corrupção, pois Parlamento não tem tempo nem consenso (sic) para as mudanças?

Todo o problema é que apenas a mídia e a opinião pública – que Bourdieu dizia não existir – se colocam a favor da continuidade das apurações, ao lado de alguns procuradores e juízes, da Polícia Federal e poucos políticos como Marina Silva e Cristovam Buarque. Aliás, a campanha da Rede Sustentabilidade é muito interessante, conclamando a todos a ingressarem em uma campanha cívica, a da Lava voto, eliminando os corruptos do Parlamento e do Executivo. Proposta criticada, outra vez, por alguns intelectuais que dizem ser este procedimento próprio de um moralismo desclassificado. Será?

Esses intelectuais que se colocam contra a Lava Jato, contra o instituto da delação, contra o Juiz Sergio Moro e cia, e negam que Lula tenha cometido qualquer ato de malversação do dinheiro público são os mesmo que defendiam Chaves ontem e hoje defendem a ditadura de Maduro. Filhos e netos dos que defendiam Stalin. E ainda se proclamam de esquerda.

A grande força da renovação política, que era a esquerda, morreu na sua maior parte. O PT e PMDB se unem para lutar contra a Lava Jato, quem diria. E sem força organizada para lutar em favor de uma nova política, de uma limpeza institucional, será possível mudar algo? Talvez sim. Talvez estejamos em face de novos atores sociais. De novos tipos de movimentos. Ou não? Será pura ilusão e desejo vão de quem não vê outra saída, e não quer aceitar a decadência social, política e moral que a vitória dos corruptos e do crime organizado apontam? Porque, enquanto nos amarramos nas lutas políticas do dia a dia, o crime organizado avança. Atemorizando juízes e promotores, matando policiais e recrutando homens treinados e dispensados das Forças Armadas. E, aos poucos, ingressam na política.

O Brasil caminha para a decadência? Para a perda constante da coesão social? Para a paralisia resultante das ações dos corpos corporativos? Para a incapacidade de renovar a política e paralisar o crime organizado?

Nessas horas é preciso escutar Edgar Morin que conheceu a invasão nazista na Europa e os temores da Segunda Guerra na resistência, quando diz que o mal não persiste sempre. Por mais ruim que estejam as coisas é preciso acreditar que as forças das trevas passarão, e que o sol voltará a nascer.

 

Será? Tomara.

 

[1] Sociólogo, pesquisador do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília

2 Comments

  1. Excelente análise da situação brasileira atual. O PT se condenou ao descrédito, e compromete nossa esquerda, por ter se negado, no momento oportuno, a fazer sua autocrítica, como fizeram alguns partidos europeus envolvidos, em termpos diversos, em escândalos de financiamento de partido.
    Talvez porque, no caso brasileiro, ao financiamento de partido se sucedeu o financiamento pessoal.
    Em lugar da autocrítica, as redes sociais insistem em inocentar os líderes petistas, lançando a culpa nos responsáveis pela revelação dos escândalo, como o juiz Sérgio Moro.
    Nesse clima de lupanar ou bordel, envolvendo praticamente todos os partidos, uma certa intelectualidade, apoiada em blogueiros financiados até há pouco pelo ex-governo, insiste em manter o clima de caos incentivando a circulação das falsas análises, como seu artigo bem assinala.
    Na Festa Nacional de nossa pátria, imagino envergonhada, encontrei aqui no Exterior gente fanática negando tudo levantado pela Justiça e alegando falta de provas, como se fossem fanáticos no mesmo estilo jiadista, dopados pela mentira.
    De repente, Palocci se transformou num bandido, como se fosse possível se esquecer ter sido o homem de confiança de Lula e de Dilma. Um exercício no qual parecem ser especialistas, pois sempre omitem ter sido vice de Dilma, o atual presidente, apostando na falta de memória, uma espécie de Alzeimer de seus seguidores.
    Há alguns dias, num encontro da presidente suíça com a imprensa estrangeira, o jornalista do Estadão levantou uma questão sobre o escândalo das contas alimentadas com dinheiro da Petrobras e Odebrecht, para ouvir a confirmação da existência dessas 50 contas, no mínimo, bem recheadas, e que a sequência dessa história é da competência brasileira.
    O meu xará Barbosa numa frase que virou lugar comum, falava em se chegar a ter vergonha de ser honesto, mas agora estamos chegando – diante desse caos digno de bordel – a ter vergonha de sermos brasileiros. Abraço.

  2. Esses intelectuais que se colocam contra a Lava Jato, contra o instituto da delação, contra o Juiz Sergio Moro e cia, e negam que Lula tenha cometido qualquer ato de malversação do dinheiro público são os mesmo que defendiam Chaves ontem e hoje defendem a ditadura de Maduro. Filhos e netos dos que defendiam Stalin. E ainda se proclamam de esquerda.

    Lapidar, Elimar! Com rima e tudo. E o pior é que somos chamados de “direitona”, de ser contra os trabalhadores, de que estamos fazendo o jogo do grande capital, de que tudo não passa de uma trama urdida nos States. Ao mesmo tempo há um silêncio de cemitério dos “cafundós-do-Judas”. No whatsApp ninguém escreve. Ninguém defende. Ninguém ataca.Tudo leva ao Armagedon ou ao encontro “festivo” dos três furacões Katia, Irma e José.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *