Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Utinga subsiste! – Clemente Rosas

Dois anos atrás, comecei a escrever os “causos paraibanos”, histórias contadas por meu pai, ou vividas na minha infância.  E os personagens mais ricos dessas histórias talvez tenham sido, ao narrar suas aventuras, meu tio-avô Joca Viriato, senhor do engenho Utinga, e seus descendentes.

Leia Mais

A Memória sem Grilhões – Clemente Rosas

Álvaro Moreyra, em seu livro “As Amargas, Não”, clássico da literatura de reminiscências, conta o diálogo com o seu carcereiro, ao sair de prisão por delito de pensamento, nos turbulentos anos 30 do passado século.

Leia Mais

Causos Paraibanos: Argonautas Paroquiais – Clemente Rosas

Éramos adolescentes, por volta dos quinze anos, eu e meu irmão, quando fomos convidados para um passeio de barco especial: pelos autores do convite – dois padres – e pelo destino – um convento de freiras…

Leia Mais

Quem é do mar não enjoa – Clemente Rosas

Enfim, vencido pela febre do mar de que fala o poeta inglês, e a convite de um amigo velejador, voltei a singrar as ondas, em um barco esbelto e branco como um cisne. Tive ainda uma motivação adicional: o destino era a Praia Formosa…

Leia Mais

Causos Paraibanos: Histórias de Bichos 2 – Clemente Rosas

É claro que não foram apenas animais silvestres que alegraram minha infância. Além da criação de coelhos e porquinhos da Índia, e da convivência temporária com criaturas mais exóticas, tivemos estreito contato com caninos…

Leia Mais

Causos Paraibanos – Histórias de Bichos – Clemente Rosas

Administrador das fazendas Manjereba e Mumbaba, da Companhia de Tecidos Paraibana, na Zona da Mata, além da sua própria, no Agreste, meu pai tinha contato frequente com animais, domésticos ou silvestres.

Leia Mais

Causos Paraibanos – Velhas Professoras – Zuzica – Clemente Rosas

Esta era famosa pela severidade. Maria José Gouveia era o seu nome, mas o apelido familiar chegou às salas de aula, muito embora nós, alunos, não fôssemos autorizados a tratá-la assim. Uma de suas auxiliares, excepcionalmente mansa, a chamava de Madrinha Zica.

Leia Mais

Vaquejadas – Clemente Rosas

A notícia da próxima aprovação de uma Emenda Constitucional dando contorno jurídico à vaquejada como atividade legal, não infratora das disposições condenatórias dos maus tratos aos animais, motivou-me a abordar o tema, objeto de tantas opiniões antagônicas, eivadas de emocionalismo.

Leia Mais

Causos Paraibanos – Velhas Professoras – Adamantina Neves – Clemente Rosas

Na minha infância, além dos grupos escolares públicos, de bom nível, não havia colégios particulares para o ensino das primeiras letras. Somente professoras.

Leia Mais

CAUSOS PARAIBANOS XI – O Peru de Natal Extraviado – Clemente Rosas

Dos irmãos de meu avô paterno, Joca Viriato, Tonico e Álvaro, conheci apenas o último, que viveu seus últimos anos na vila portuária de Cabedelo, onde tínhamos casa de praia.

Leia Mais

No país das Águas – Clemente Rosas

A atividade de consultor de empresas, com foco na conquista de incentivos fiscais para novos investimentos, tem lá seus encantos. Um deles é a oportunidade de viajar, para conhecer os empreendimentos a serem contemplados com o apoio governamental, com a nossa intermediação.

Leia Mais

O praça que amava serpentes – Clemente Rosas

Quando, já no meu segundo ano de Faculdade de Direito, resolvi prestar serviço militar, recusando, tanto o “jeitinho” brasileiro para escapar da incorporação, como a opção pelo CPOR, que me exigiria dois anos no Recife, configurei um caso raro em nossas Forças Armadas.

Leia Mais

Lenços Vermelhos — da série Causos Paraibanos – Clemente Rosas

As dissenções que dilaceraram a Paraíba, por ocasião do movimento da Aliança Liberal e da Revolução de 1930, deixaram marcas profundas, que persistem até hoje.

Leia Mais

Causos Paraibanos VIII – Mestre Pititinga e sua “Gaivota” – Clemente Rosas

Em língua tupi, a palavra quer dizer “pele branca”. Nunca soube se era seu nome de registro ou apelido, mas não lhe destoava.

Leia Mais

Causos Paraibanos VII – O Governador visita Caiçara – Clemente Rosas

Era esse o nome da fazenda, aparecendo como tal num pequeno ponto do mapa da Paraíba.

Leia Mais

Causos Paraibanos VI – Clemente Rosas

Ao iniciar-se a década de 1950, o cangaceirismo já havia sido extinto no Nordeste doze anos antes, com o extermínio do bando de Lampião.

Leia Mais

Moedeiros Falsos – Clemente Rosas

Les faux monnayeurs. É o título de um livro em que o escritor francês André Gide faz duras críticas à hierarquia da Igreja Católica do seu tempo. O rótulo me ocorre agora, com a leitura do artigo do…

Leia Mais

Marília E Clarice – Clemente Rosas

Há quatro anos, por comentário do meu amigo W. J. Solha, tive notícia de Marília Arnaud, nossa conterrânea, contista já consagrada, que estreava no romance com o seu “Suíte de Silêncios”.

Leia Mais

Vida de cinema: Notas sobre uma autobiografia contemporânea – Clemente Rosas

A leitura do livro de memórias de Cacá Diegues, com esse sugestivo título, fez-me recordar o tempo em que convivi com ele, em minha breve temporada carioca, como vice-presidente da União Nacional dos…

Leia Mais

O Ensino da Língua Portuguesa – Clemente Rosas

O debate esfriou, a questão parece esquecida. Com meu estilo de deixar amadurecer os problemas para enfrentá-los, talvez tenha perdido a oportunidade de dar alguma contribuição ao tema.

Leia Mais

Em algum lugar do passado – Clemente Rosas

O escritor Aníbal Machado, pai da teatróloga e mestra em ficção infantil Maria Clara Machado, e irmão de Cristiano Machado, candidato dos comunistas à presidência da república em 1950, constitui um caso…

Leia Mais

A hora do revisionismo 5 – Educação: a linha justa – Clemente Rosas

Temos visto que a sociedade de hoje não se enquadra nos modelos simplórios formulados em nossos tempos de sonho e de esperança.

Leia Mais

A Hora do Revisionismo 3 – Os Novos Deserdados – Clemente Rosas

Comecemos por recordar o conceito marxista do “exército operário de reserva”, responsável por manter o nível de remuneração do proletariado industrial no mínimo necessário à sua sobrevivência.

Leia Mais

A Hora do Revisionismo 2 – A Ascensão do Proletariado – Clemente Rosas

O simples olhar, sem viseiras, de um observador da realidade brasileira de hoje já o faz perceber que os trabalhadores industriais nada mais têm das características dos seus antepassados europeus, ao tempo…

Leia Mais

A Hora do Revisionismo 4 – O Declínio dos “Terratenientes” – Clemente Rosas

Em meus primeiros anos no Recife, início da década de 1960, costumava ouvir, em programas radiofônicos, matéria promocional dos usineiros de açúcar…

Leia Mais

Para sempre Formosa – Clemente Rosas

Sempre achei “querência” uma palavra bonita, sugestiva. Lembro um hotel do centro de Florianópolis, onde me hospedei tempos atrás, que me pareceu acolhedor só por ter esse nome.

Leia Mais

Causos Paraibanos V – Clemente Rosas

Em seus últimos anos de vida, os filhos já tendo tomado destino, Joca Viriato vivia só, na modesta casa grande da Utinga. Quando meu avô foi visitá-lo, um dia, perguntou se ele, com tantos inimigos, conquistados com suas brabezas e impetuosidades, não temia um possível atentado.

Leia Mais

Causos Paraibanos IV – Clemente Rosas

O coronel da Guarda Nacional Assunção Santiago foi um antepassado remoto do meu pai, de quem tenho memória apenas do nome e do episódio inusitado que aqui reporto.

Leia Mais

Causos Paraibanos III – Clemente Rosas

A propriedade chamava-se Ângelo, ou “Anjo”, na língua dos matutos. Ficava no município de Ingá, conhecido como Ingá do Bacamarte, terra dos pistoleiros Zé de Totô e Mané Anjo

Leia Mais

Causos Paraibanos – II – Clemente Rosas

Nos idos de 1930, minha família era constituída, essencialmente, de partidários ou simpatizantes da Aliança Liberal. Avô paterno, secretário de finanças do presidente João Pessoa. Avô materno…

Leia Mais