Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Psicanálise: ciência ou mito? – João Rego

Nada nos salva da morte. Enquanto vivemos, sem que nossa consciência tenha acesso a este inevitável destino, somos impelidos a…

Leia Mais

Psicanálise e o controle do Estado – João Rego

Recebi, recentemente, um pedido de uma amiga psicanalista sobre uma dica de livro de política. A razão desta consulta…

Leia Mais

A política e a psicanálise – Fernando da Mota Lima

Comento tardiamente o artigo de João Rego: O político, o homem e a razão cética. João Rego tem com freqüência citado Freud, notadamente O mal-estar na civilização…

Leia Mais

Hamlet, psicanálise e a tentativa de captura do sujeito pela ciência – João Rego

É muito comum aparecer em revistas (especializadas ou não) entrevistas com neurocientistas e outras espécimes nos comunicando um novo…

Leia Mais

O Sujeito, o Desejo e a Política. – João Rego

João Rego O conceito de sujeito, para a psicanálise, é o do sujeito constituído por uma falta que o funda como ser desejante. Essa é uma operação que ocorre em nossa alma e que tem sua origem no momento em que, como criança, viemos ao mundo. A princípio temos uma relação fusional com a mãe, ou seja, não somos constituídos ainda como sujeito. Nos confundimos e nos nutrimos desta fonte de vida original, que é o corpo da mãe. Com a interferência da figura paterna dá-se a interdição, que nos castra da mãe. A partir daí, seguimos a vida condenados a buscar, de forma incessante e sem êxito, o preenchimento desta falta. É movido por esta falta que nos constituímos como sujeito, sentimos os limites do nosso corpo, criamos, amamos, e sofremos. Sem ela cessaria o desejo, o que...

Leia Mais

Cultura, Pulsão e psicanálise. – João Rego

João Rego Creio que o retorno aos textos freudianos, que foram objeto de meus ensinamentos nos últimos dois anos, deu-me a certeza cada vez maior de que não há apreensão mais ampla da realidade humana do que aquela que é feita pela experiência freudiana.(LACAN, Jacques in Le symbolique, l’imaginaire et le réel – Bulletin de l’Association freudienne, No. 1, nov, 1982) Esta ‘experiência freudiana ’a qual o texto de Lacan se refere, define a dimensão da psicanálise em um contexto que situa o homem e seus desejos de forma antagônica a civilização. Esta última tem a função de interditar, através da lei, grande parte da realização destes desejos. Em Totem e Tabu e no Mal Estar da Civilização, que definimos como as principais obras do pensamento social de Freud, este situa o homem fundado em um impasse insolúvel: o...

Leia Mais